Jesus veio em carne

Olá amado leitor, que alegria em ter você aqui novamente! Espero lhe servir à mesa mais essa porção da palavra do Senhor! Ficarei feliz em receber seus comentários.

1Jo 4.2-3 Vocês podem reconhecer o Espírito de Deus deste modo: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne procede de Deus; 3 mas todo espírito que não confessa Jesus não procede de Deus. Esse é o espírito do anticristo, acerca do qual vocês ouviram que está vindo, e agora já está no mundo.

Esses versos são usados dentro de alguns segmentos evangélicos na libertação. A pessoa está possessa por um espírito maligno e o pastor diz para o demônio: Confesse que Jesus Cristo veio em carne! Bom, creio não ser esta a aplicação correta, até porque já me contaram, de fonte segura, de casos em que o demônio respondeu: Jesus Cristo veio em carne, mas eu não saiu daqui!

Na realidade, como já vimos, que existiam seitas disseminando falsos ensinamentos e João, inspirado pelo Espírito Santo, buscou trazer a tona a verdade. Jesus veio em carne! Jesus não foi apenas um homem que em determinado momento ‘recebeu’ Deus em seu corpo nem como nos ensinam em cristologia, que foi um homem que se tornou Deus por sua boa conduta! Não! Jesus Cristo é a pessoa da trindade que nasceu como homem (encarnou) e como homem viveu em santidade plena (Hb 4.15). Não podemos negar sua vida (nessa terra). O dualismo que as seitas ensinavam, muito influenciadas por Platão (seus ensinos), dizia que a matéria era essencialmente ruim, mas o espírito bom. Afirmar que Deus se fez carne e viveu fisicamente em nosso meio (Jo 1.14) não era aceitável para esses falsos mestres. Embora não aceitável para alguns, essa é a verdade. Jesus veio a Terra e viveu entre nós em carne. Hb 4.15 “Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado”.

Precisamos deixar de lado essa frescura de ‘vida espiritual’ e ‘vida secular’ e entender que Jesus veio em carne! Tudo na vida de Jesus era espiritual, comer, beber, pagar impostos, ajudar José, estudar, tudo! Então, precisamos confessar que Jesus veio em carne através de nosso testemunho, através de nosso “viver na carne” (Gl 2.20 Fp 1.22) de forma semelhante a que Ele viveu, guardando tudo que Ele ensinou! Uma vida reta, justo, consagrada, de acordo com a Palavra é a verdadeira confissão de que cremos que Jesus veio carne! Os demônios que falam que Jesus veio em carne, não cumprem este verso, porque falam da boca pra fora, enquanto sua própria existência diz o contrário. Nós, confessamos que Jesus veio em carne, quando somos seus imitadores (Fp 3.17) em carne.

Ensinar uma religiosidade que se esquece desse mundo é negar Jesus Cristo. Pregar sobre avivamento, línguas, dons e esquecer-se de pregar sobre responsabilidade social, ambiental, evangelismo, política, testemunho e demais aspectos da vida em sociedade é negar Jesus Cristo vindo em carne. Cristo em carne é o Deus Eterno entrando na esfera social, na esfera temporal, nos mostrando em tudo que a eternidade começa aqui. Que cristianismo é uma nova vida que iniciamos nessa terra e continuamos de forma plena nos céus. Eu poderia ter terminado sem este parágrafo e assim agradaria a todos, mas não estaria sendo sincero comigo, contigo e com o Senhor. Desejo profundamente que o Senhor nos abençoe e conduza cada dia para mais perto de Si. Um abraço, Sidinei.

2 comentários:

Nathan disse...

Gostei do seu artigo, apenas gostaria de propor uma correção, você disse: "[...]Jesus não foi apenas um homem que em determinado momento ‘recebeu’ Deus em seu corpo nem como nos ensinam em cristologia[...]"

Pois bem, Cristologia é a parte da teologia que trata da vida, obra, natureza e pessoa de Cristo, assim como a pneumatologia trata estes mesmos aspectos em relação ao Espírito Santo, o caso é que a Cristologia não ensina o que você falou que ela ensina, o ensinamento que você propos pode representar a opinião cristológica de alguns teológos, mas cristologia não é o ensinamento que você afirmou no seu texto e na verdade uma área de estudo da teologia.

Para exemplificar, a união hipostática é uma definição dentro do estudo da Cristologia que sugere extamente o oposto do que você afirmou no seu texto.

Não sei se fui claro na minha explicação, mas se desejar que seu artigo fique correto, sugiro que corrija esse erro.

Abraços.

Fique com Deus.

SBKAUER disse...

Olá Nathan. Obrigado por seu comentário. No caso, o trecho que você citou acima não é o texto para o qual escrevi a palavra 'cristologia'. Usei-a para o trecho a seguir 'que foi um homem que se tornou Deus por sua boa conduta'. E como você escreveu "Cristologia é a parte da teologia que trata da vida, obra, natureza e pessoa de Cristo". Bom, isso um professor de cristologia tentou botar em minha cabeça certa vez. Como foi em uma aula de cristologia, então, isso se ensina em cristologia, nem que seja apenas no caso da aula te tal professor. Para que ninguém se confunda, vou deixar seu comentário publicado, assim, servirá como complemento.
Em meus textos, a intesão sempre é trazer vida de Jesus aos leitores, tudo ao redor deve apenas servir a este propósito.
Um abraço, Sidinei.

Postar um comentário

Olá! Deixe aqui seu comentário isso nos ajudar a crescer!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...