Fogo do Espírito


Suco de café, o poema da vida

      Conversando com uma amiga, fui surpreendido com o seu “eca” quando lhe falei que estava fazendo um ‘suco de café’. Recorri mais uma vez a minhas memórias e lhe contei o porquê disto.
Quando pequeno, passávamos por dificuldades financeiras. E, passado o café pela manha, o que sobrava no bule, era misturado com água gelada e açúcar e virava o suco do almoço. Os tempos de pobreza passaram, mas o costume de tomar o suco não. Antes, era por necessidade, hoje, gosto de tomar este suco.
Tantas vezes reclamamos das coisas e situações em nossa vida e não nos damos conta de quanto nosso prazer em existir pode ser maximizado por elas. Se eu nunca tivesse sido pobre, hoje, não teria tanto prazer em comer e beber! Aprendi a gostar de tudo e não reclamar e isto me faz sentir alegria, inclusive, em tomar um simples suco de café!
Aprendi a valorizar as pequenas coisas, afinal, eram apenas elas que eu tinha. Uma mochila nova, o primeiro televisor a cores, a construção do chalé, a reforma da ponte pênsil... Tudo se movia ao meu redor como uma linda poesia, escrita por Deus com minha cooperação.
Os grandes prazeres são fúteis perto dos pequenos prazeres cotidianos. Como fazer um ninho de porongo para as corruíras, pescar um lambari ou observar as pétalas de uma flor. A poesia está ao nosso redor, pena que a maioria é analfabeta, no que tange a leitura, do poema da vida!

O Sidinei que não conheci

     É costume antigo que ao iniciar o ano letivo, aconteça à apresentação dos alunos. Por vezes, os professores decidem que os alunos perguntem em suas casas sobre a origem de seus nomes. No meu caso, fui perguntar para meus pais porque me chamava Sidinei. Meu pai feliz da vida me explicou que este nome era devido a um grande amigo dele. Senti-me feliz com aquilo, era bom saber que meu nome era em homenagem há alguém muito importante para meu pai. Não conheço este Sidinei, mas sei como ele é importante em minha vida.
Um dia destes senti de perguntar para meu pai: “Pai, o Sidinei teu amigo era crente né”? Batata! Sim, o homem que cedeu o nome para mim foi quem primeiro fez meu pai ter contato com os “crentes”. E eu, carregando seu nome fui o primeiro da família a converter.
Onde estiver Sidinei, obrigado por ter sido um profeta sobre minha vida, mesmo antes de eu nascer. Obrigado por ter semeado no coração de meu pai.
E você amado leitor? Tem semeado? Às vezes, por não vermos de imediato nossas sementes brotarem, vamos desistindo de lança-las. Não! Não podemos desistir, não podemos parar! “Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento”. 1Co 3.6
Não semeamos para nos mesmos, semeamos para nosso Senhor. A colheita é para Jesus, para glória de Seu nome. Não é para nós, para que nosso nome seja engrandecido. Por isso, mesmo de férias, passeando, na rodoviária ou na praia, semeie o Evangelho! O que importa é que vidas sejam salvas!
Acredito que o Sidinei que não conheço, nem saiba que hoje existe um pastor Sidinei, influenciado pela semente que um dia ele lançou. Quero gerar muitos filhos... Mesmo que nunca saiba (nesta terra) que os gerei, o que me importa é encontra-los no céu!

Mais frases

A conversão diária é sinal de que a salvação um dia chegou.

Um homem livre é um homem morto.

Prefiro que se decepcionem com o que sou do que vê-los frustrados por não conseguirem ser como minha imagem o é. 

Vergonha não é admitir que se converteu ou que precisa se converter. Vergonha é passar a eternidade queimando no inferno!

 Não é o tipo ou o tamanho do barco que determina se a tempestade virá ou não, mas o meio onde ele se encontra.

A razão anda por onde existem estradas, a constrói pontes sobre os abismos!


distorcida gera visão equivocada.


Diferença entre fé e burrice: A burrice não faz o que pode fazer e a faz o que é impossível.




Sidinei Bühler Kauer

Elias e Elizeu; Jesus e Eu

Presentinho de Natal para meus leitores. Meu novo livro! Façam o download, leiam, comente, divulguem, imprimam...



Elias e Elizeu Jesus e Eu                                                        

Um Novo Natal

Recomendo que ao invés de lerem este meu artigo, ouçam ESSA pregação do Pr. Abe Huber: Baixe clicando AQUI.        

“A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegrou em Deus, meu Salvador”. Lucas 1.46-56
Vamos comemorar o Natal! Eu vou e você? Porém, não vou celebrar o natal do mundo. Vou inventar uma festa nova!
Se for para comemorarmos o Natal, não podemos mesclar os costumes pagãos com os nossos, mas desenvolver uma festa à parte, dentro de nossos corações. Natal para nos cristãos deve necessariamente ser um tempo de refletir na vinda de Jesus Cristo dos céus até a terra para nos salvar. E assim pensando, damos um salto na direção dos que nos cercam, cheios de estratégias de evangelismo e com muita fé de que podemos fazer diferença!
Esse Novo Natal, não pode estar centrado na mesma mentalidade, personalidade e finalidade do Natal pagão, ou seja, Festas, deuses (Papai Noel) e Lucro (presentes (babilônico), agricultura (romano)).
  Nosso Natal, podemos aprender com Maria: “Minha alma engrandece ao Senhor”. Que esse tempo, que esta festa, que tudo que você for realizar nestes dias, seja pra engrandecer o Senhor. Tudo que fizer, seja comer, presentear, visitar... Faça para glória de Deus! Ore com sua família. Leiam a Bíblia. Estudem a chegada de Jesus em forma de bebê!
  Se Natal pra ti for um tempo de simplesmente enfeitar a casa, dar presentinhos e comer peru, então você não é um cristão, você é um pagão! Pagãos que fazem isso. Pagãos que ensinam suas crianças a terem fé de que um falso deus lhes dará presentes. Pagãos que ensinam a seus filhos a se comportarem bem durante o ano para não atrair a ira dos deuses (Papai Noel).

Natal Hipócrita
De que maneira seu natal tem engrandecido ao Senhor? Ou será que nesta época tudo piora? Na maioria das casas, está é uma época de conflitos. Filhos querendo presentes e viagens que os pais não podem dar. Pais querendo visitar parentes que os filhos não querem ver. Maridos bebendo e babando em cima da mulher dos outros e esposas iradas, preocupadas porque não tiveram dinheiro para comprar um vestido ou sandália melhor... Por fim, de noite no quarto, a mulher diz que só vai esperar passarem as festas para ‘pedir o divórcio’.
  “Feliz Natal e um Próspero Ano Novo”! O quê? As famílias passam o final de ano todo brigando e quando saem nas ruas tem a cara de pau de ficar desejando “Feliz Natal” para todo mundo! Entram o ano novo endividadas e tem a cara de pau de desejarem “Prospero Ano Novo”! Hipócritas!
O nosso natal, como cristãos, não pode ser assim. Não pode estar baseado em rituais externos. A luz, deve ser Jesus Brilhando (Jo 9.5) em nossos corações. E não pode ser pisca-pisca. A árvore, devemos ser nós (Sl 1) plantados junto ao rio de Vida (Ez 47). E o presente? O Presente é Jesus dado pelo Pai para nossa salvação. O presente é o perdão, o amor, a possibilidade de restauração. O presente é Vida Nova.
Como diz Maria, que nosso espírito se alegre em Nosso Salvador! Ela sabia que era pecadora e precisava de perdão, salvação. Que possamos lembrar neste natal que o maior presente Deus já nos deu. Seu filho nascido como homem que nos ensinou o caminho e morreu na cruz para perdão de nossos pecados.
Se vamos fazer festa no natal, vamos fazer como cristãos. Com louvor, com orações, com festa... Mas também com arrependimento, com pedidos de perdão, com reconciliações...
Abaixo separei 3 artigos sobre o Natal que acredito que devas ler ainda esta semana. Porém antes, leia algumas informações preliminares (na verdade, um ‘resuminho’) sobre a origem do natal, Papai Noel, árvore e etc.
 

Algumas informações básicas (as fontes das informações e sua versão completa encontram-se em Verdades sobre o natal - I)

Festividade Romana Pagã: Nascimento do deus sol invencível. Saturálias, festividades no templo de Saturno. Os príncipes vinham vestidos com mascaras engraçadas e roupas vermelhas (Papai Noel?), personificação de uma divindade do subterrâneo. Os deuses do subterrâneo deveriam ser presenteados, aplacados para que abençoassem a agricultura. Também existia troca de presentes entre os participantes.
Comemoração Persa ao deus Mitra (o sol da Virtude).
Durante o século 17, o natal foi proibido na Inglaterra por ser uma festa pagã.
Enciclopédia Católica (edição de 1911): "A festa do Natal não estava incluída entre as primeiras festividades da Igreja... os primeiros indícios dela são provenientes do Egito... os costumes pagãos relacionados com o princípio do ano se concentravam na festa do Natal".
Ninrode, fundador da torre de Babel casou-se com sua própria mãe e morreu ainda com ela grávida. Esta mulher, Semiramis disse que seu filho (neto) era a reencarnação de Ninrode. Quando ele nasceu sua mãe pediu que recebesse, a cada dia natalício presentes debaixo de uma árvore! Ela passou a ser chamada de rainha do céu a mãe do deus sol (mãe de deus).
Gerando mentirosos: Papai Noel não existe, não dá presentes para seus filhos. Quem diz que Papai Noel dará presentes é mentiroso e está ensinando seus filhos a mentir.
Natal de hoje: Natal Capitalista, espírito Babilônico. Espírito Babilônico: Ganhar lucro em cima da religiosidade pagã (presentes da ‘árvore de Ninrode’).
O sincretismo evangélico.
Cristianismo + catolicismo + afro-espiritismo = Culto a Iemanjá / senhora dos navegantes.
Evangélico + paganismo = NATAL (da maneira comumente comemorada).

Se liga!

Estava tudo muito bonito. A decoração, as pessoas, musica de fundo... Tudo funcionando bem nos preparativos para a formatura da 8ª série. Passava um clip no telão com fotos dos formandos... De repente um barulho e a imagem desaparece: O projetor estava ao chão!
E agora? Comentei com a pessoa do lado sobre o que poderia acontecer. O equipamento era sensível, frágil, por outro lado, “depende do jeito que cai”.
É verdade, depende muito do jeito que cai, no caso do projetor, desta vez deu certo, nenhum prejuízo. Mas e os que se espatifam no chão? De tantos copos que caem, quantos caem e não se quebram?
Assim, muitos tem caído da fé. E dependendo do jeito que caem, não tem mais volta. Afastam-se como barcos sem ancora e timoneiro. Dos que se desviam do evangelho o que dizer?
Então, melhor é não cair. Porém nem todos que caem, são como tal projetor, com grande barulho. Alguns caem devagar... São como a fonte do notebook. Acredito que estejas rindo agora, explico.
Estava deitado e percebi que tinha esquecido a fonte ligada, embora desconectada do aparelho. Da cama mesmo, estiquei o braço e puxei da tomada. A luz demorou bastante para apagar, e com tudo escuro, observei que sua luzinha foi esmaecendo aos poucos, até não haver mais luz. Quando faço isto e a fonte está plugada no note, apaga-se instantaneamente.
Quando ela está servindo e é desligada da corrente, apaga rápido. Quando não está servindo, sua luz permanece por um pouco. Algumas pessoas se desviam de uma hora para outra e todos percebem. Outras se desligam da Corrente e tentam continuar servindo, mas sua luz logo apaga. Outros, primeiro param de servir e dão a impressão de que ainda brilham por algum tempo, e vão aos poucos, perdendo seu brilho até apagar.
Abra o olho! “Aquele, pois, que pensa estar em pé veja que não caia” 1Co 10.12.

Refri de laranja

Minha infância é farta de boas recordações. Lembro-me de um dia em que muito feliz, juntei as moedas que meu pai me dera ao longo de um tempo. Juntara aquele dinheirinho para pela primeira vez, comprar uma garrafa de refrigerante com meu próprio dinheiro. Fui para a escola e durante toda aquela manhã tudo que pensava era na minha garrafinha de refrigerante de laranja que compraria. Ah, estava ansioso por aquele momento. Meus pais orgulhosos, o filho faria uma compra com o seu dinheirinho, sabiam que aquilo era importante para meu crescimento.
Findada a aula, sai radiante em direção do mercado e comprei minha garrafinha de 1 litro. Amarelinha, geladinha... Coloquei na mochila contente. Porém... Meus colegas tinham visto! E começaram a me ameaçar exigindo que eu entregasse a garrafa. Discuti com eles e acabei apanhando um pouco, mas, não entreguei a garrafa. Sai correndo (sempre fui bom em corrida, também pudera com estas pernas compridas e as ameaças constantes) e escapuli das mãos deles.
Ao longe avistai a taipa de pedra e a casa de madeira. Lá chegando, ainda ofegante, contei tudo para meus pais. Eles estavam orgulhosos do filho que estava virando hominho. Meu pai me questionou: “Mas filho, por que você não entregou o refrigerante e escapou da surra?” Não, eu não faria isto. Aquele era meu troféu, conquistado com economia, suor, dedicação. Tomei aqueles copos e como estava gostoso! O sabor da vitória, da tarefa cumprida.
Para meus pais, o sabor era outro. Mais importante do que o meu troféu, era o crescimento que acontecera. Enquanto eu pensava que meu prêmio era o refrigerante, sabiam eles que era o crescimento.
Muitas vezes corremos atrás de tantos prêmios e festejamos quando os conseguimos e esquecemo-nos de valorizar a aprendizagem, o crescimento que tivemos no trajeto. Tantas vezes lembramo-nos da vitória, mas esquecemos o sofrimento que veio antes dela.
Cada vez que tomo um gole de refrigerante de laranja, toda esta cena retorna em minha memória. Lembro que posso vencer! Que por mais dura que seja a adversidade, só pelo fato de enfrenta-la já estou crescendo, mesmo que não atinja por fim o objetivo desejado.
O Pai está muito mais interessado em nosso crescimento, do que nos ver de carro novo, sarados de uma enfermidade, ou com a faculdade concluída. O que Lhe interessa é que estejamos em sua presença e tudo quanto fizermos contemos a Ele. Ele quer tomar refrigerante contigo! O sabor da tua vitória é prazeroso para Ele. Ainda que fosse mais fácil ele mesmo ir lá e comprar a garrafa, não teria o mesmo sabor, não teria o mesmo crescimento. Assim, muitas coisas o Pai deixa para que nós façamos, ainda que para Ele seja bem simples e fácil, para nós será mais gostoso, terá mais valor, se nós mesmos fizermos. Ele se alegra em ver seus filhos crescendo.
Ganhe almas querido, o preço ele já te deu. Agarre-as firmemente e ainda que apanhe por isso, leve-as até a casa do Pai. Ele poderia fazer isso sem você, mas Ele tem prazer em ver seu empenho, seu crescimento, seu saborear e o privilégio de poder dizer: “Eu fiz parte disso”!
Qual é o seu refrigerante? O que traz a sua memória o sabor da vitória? Agora já sabe o que fazer quando me vir cansado e desanimado né? E de copo em copo, vamos cada dia mais nos aproximando da estatura do “Perfeito Varão”. Aleluia.

Verdades sobre o Natal - 2 (John Piper)

Eu compreendo aqueles que querem ser rigorosamente e distintamente Cristãos. Que querem ser libertos do mundo e qualquer raiz pagã que possa repousar sob nossa celebração do Natal, mas não me posiciono da mesma maneira nesta questão porque penso que chega um ponto onde as raízes já estão distantes de tal forma que o significado presente não carrega mais nenhuma conotação pagã. Fico mais preocupado com um novo paganismo que se sobreponha a feriados cristãos.
Eis um exemplo que eu uso: Todo idioma tem raízes em algum lugar. A maioria dos nossos dias da semana [em inglês] —se não todos— saíram de nomes pagãos também. Então deveríamos parar de usar a palavra “Sunday” (domingo) porque ela pode ter estado relacionada à adoração ao sol em um tempo distante? No inglês moderno, “Sunday” (domingo) não carrega aquela conotação, e é a própria natureza do idioma. De certa forma, os feriados são como a linguagem cronológica.
O Natal agora significa que marcamos, no meio cristão, o nascimento de Jesus Cristo. Nós achamos que o nascimento, a morte e a ressurreição de Cristo são os eventos mais importantes na história humana. Não marcá-los de alguma forma, através de uma celebração especial, me parece que seria insensatez.
Eu lembro de ter sido vizinho de um casal nos tempos de seminário que não celebrava os aniversários de seu filho. A ideia era, em parte, que todos os dias eram especiais para o menino. Mas se todos os dias são especiais, então provavelmente significa que não há dias especiais. Contudo, algumas coisas são tão boas e preciosas — como aniversários e até mesmo mortes — que são dignas de serem marcadas. Quão mais o nascimento e a morte de Jesus Cristo!
Realmente vale o risco, mesmo que a data de 25 de Dezembro tenha sido escolhida por causa de sua proximidade com algum tipo de festival pagão. Vamos apenas tomá-la, santificá-la e fazer o melhor com ela, porque Cristo é digno de ser celebrado em seu nascimento.
Não há motivo para escolher outra data. Não vai funcionar.

Por John Piper. © Desiring God. Website: desiringGod.org
Tradução: voltemosaoevangelho.com

Escola da Vida (Teatro)

Estou disponibilizando para download o teatro "Escola da Vida". Ideal para ser apresentadas a públicos adolescentes.


Versão XPS

A Escola Da Vida                                                            

Pastor e Rei

        No salmo mais famoso da Bíblia, o Salmo 23 (leia na NVI), Davi escolhe duas analogias para comparar sua relação com Deus. O Pastor e suas ovelhas e o Rei dos Reis com seu rei vassalo. Somando as duas, temos esta poderosa lição de confiança no Senhor. Este grandioso Rei dos Reis cuide de seu povo para que nada lhe falte. A autoridade sobre Davi aparece como uma autoridade delegada. O Pastor mostra-se interessado em manter a tranquilidade e saciedade de seu rebanho. Assim elas não precisam se preocupar ainda que estejam passando por um vale escuro, perigoso e não enxerguem bem (assim são as ovelhas), pois, o seu Pastor enxerga e cuida. Estando tranquilas, não se alvorotam despenhadeiro abaixo. O Rei dos Reis coloca aquele que escolheu para reinar em um banquete, coloca sobre ele unção para que reine debaixo de sua autoridade. Os inimigos enxergam este banquete e agora sabe que aquele homem não é mais comum. Tudo que fizerem a ele será uma afronta direta ao sumo Rei. Assim podemos andar como reis, exercendo autoridade debaixo da cobertura do Rei dos Reis que ungiu nossa cabeça com óleo. A bondade deste Monarca estaria com Davi e Ele não quebraria sua Aliança, permanecendo fiel por toda vida. Mais ainda, o texto passa a ideia de que esta “bondade e fidelidade” (misericórdia na ARA) iriam perseguir Davi. Ele estava marcado, havia uma íntima ligação entre Davi e o grande Rei e Pastor.
Precisamos estar atentos a esta relação. Cientes de que o Senhor nos ama e cuida e que só temos autoridade, quando esta é delegada por Ele. Sua bondade e sua fidelidade estão sobre nós. Os demônios viram quando o Espírito passou a habitar em nós. Estamos cheios de autoridade e unção. Estamos protegidos e capacitados, nos resta agora apenas cumprir nossa missão. “Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão” Gn 15.1b RC.

Verdades sobre o Natal

Recomendo que ao invés de lerem este meu artigo, ouçam ESSA pregação do Pr. Abe Huber: Baixe clicando AQUI.       

Que o natal como existe hoje não tem muito a ver com cristianismo você já deve saber. Essa história de 25 de dezembro é pagã. Papai Noel e tudo mais são no mínimo, distorções do cristianismo. O que fazer então com o Papai Noel? O Pr. Otávio responde AQUI. Qual a origem da comemoração? Segue abaixo artigo da Wikipédia explicando.
Antes, te convido a ler ESTE ARTIGO onde comento sobre o que fazer no natal. Não sou contra comemorarmos o natal. Tenho inclusive pregado que “Natal é Vida Nova”. Por quê? Porque já que o mundo todo está comemorando esta data e alguns se lembrando do nascimento de Jesus, aproveito para falar que Natal, para mim, significa Deus vindo a nosso encontro. Jesus tomando a iniciativa de nos salvar, vindo como homem, sofrer nossas dores, vivendo como um de nós.
Se você não quer comemorar o natal, como muitos cristãos já tem feito. Tudo bem. Você têm bons motivos para não comemorar. Como os que estão NESTE ARTIGO onde os símbolos pagãos do natal são revelados, até mesmo o dar presentes. Se quiser comemorar, comemore Jesus. Não deixe o paganismo entrar em sua casa. Papai Noel é um ídolo e deve ser desprezado. Seja esperto, use esta data para evangelizar, ganhar vidas, exaltar Jesus!
Creio que simplesmente nos isolarmos e não comemorarmos o natal pode ser uma burrice, pode ser até um anti-evangelismo. Penso ser possível como cristão, comemorar o Natal de uma maneira que agrade o Senhor.
“Todas as coisas são puras para os puros; todavia, para os impuros e descrentes, nada é puro. Porque tanto a mente como a consciência deles estão corrompidas”. Tt 1.15
Precisamos ser espertos. Mt 10.16 16 NTLH “– Escutem! Eu estou mandando vocês como ovelhas para o meio de lobos. Sejam espertos como as cobras e sem maldade como as pombas”.
Abaixo, informações sobre o Natal retiradas de http://pt.wikipedia.org/wiki/Natal
De acordo com o almanaque romano, a festa já era celebrada em Roma no ano 336 d.C.. Na parte Oriental do Império Romano, comemorava-se em 7 de janeiro o seu nascimento, ocasião do seu batismo, em virtude da não-aceitação do Calendário Gregoriano. No século IV, as igrejas ocidentais passaram a adotar o dia 25 de dezembro para o Natal e o dia 6 de janeiro para Epifania (que significa "manifestação"). Nesse dia comemora-se a visita dos Magos.
Segundo estudos, a data de 25 de dezembro não é a data real do nascimento de Jesus. A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno.
Portanto, segundo certos eruditos, o dia 25 de dezembro foi adotado para que a data coincidisse com a festividade romana dedicada ao "nascimento do deus sol invencível", que comemorava o solstício de inverno. No mundo romano, a Saturnália, festividade em honra ao deus Saturno, era comemorada de 17 a 22 de dezembro; era um período de alegria e troca de presentes. O dia 25 de dezembro era tido também como o do nascimento do misterioso deus persa Mitra, o Sol da Virtude.
As evidências confirmam que, num esforço de converter pagãos, os líderes religiosos adotaram a festa que era celebrada pelos romanos, o "nascimento do deus sol invencível" (Natalis Invistis Solis), e tentaram fazê-la parecer "cristã". Para certas correntes místicas como o Gnosticismo, a data é perfeitamente adequada para simbolizar o Natal, por considerarem que o sol é a morada do Cristo Cósmico. Segundo esse princípio, em tese, o Natal do hemisfério sul deveria ser celebrado em junho.
Há muito tempo se sabe que o Natal tem raízes pagãs. Por causa de sua origem não-bíblica, no século 17 essa festividade foi proibida na Inglaterra e em algumas colônias americanas. Quem ficasse em casa e não fosse trabalhar no dia de Natal era multado. Mas os velhos costumes logo voltaram, e alguns novos foram acrescentados. O Natal voltou a ser um grande feriado religioso, e ainda é em muitos países.

Níveis de Fé

        Pregação baseada na vida de Abraão que ensina sobre a fé. Podemos progredir em nossa fé. Abraão subiu o monte de Jeová Jiréh e nunca mais foi o mesmo. Você pode escutar a pregação no player abaixo ou fazer o download clicando AQUI.

O Serviço

        Normalmente quando alguém é empregado, passa a dizer: “Estou muito feliz porque consegui serviço”. Assim, comumente se diz que o empregador está ‘dando serviço’ ao empregado. Não é assim. Antes, quem está dando/doando serviço é o empregado que, estando em uma posição privilegiada, pode estender as mãos e abençoar a vida de seu patrão com ganhos monetários. “Mais bem-aventurado é dar que receber” At 20.35.
Nossa sociedade enxerga mal as coisas como se aquele que emprega estivesse dando serviço, quando o que se passa é justamente ao contrário. Os proletários são mais felizes porque além de se sustentarem com o próprio suor, podem contribuir para que outros prosperem através de seu serviço. O patrão por sua vez não dorme direito pensando em como aumentar seus lucros e na segurança de sua riqueza. Nenhuma empresa ou executivo tem o direito de pressionar seus funcionários, é deles que vem o seu pão.
O papel dos ‘poderosos patrões’ é meramente servir melhor seus funcionários já que estes o tem servido por tanto tempo. Se você é patrão, entenda quase tudo que você que tem ganhou dos outros, e deveria pagar um salário melhor a eles. Porém se você é empregado, alegre-se, pois sua posição de servo e suas ofertas são conhecidas do Senhor.
Agora que não mais patrões pensem que estão fazendo um favor aos funcionários em dar emprego e mesmo horas extras e bônus. Que nunca mais ‘poderosos’ sintam-se orgulhosos por empregar muitas pessoas, porque o mérito é todo delas.

O pássaro

        Desde ontem um animalzinho tem me intrigado. Um pequeno pássaro que entrou em casa. O bichinho desatinado voava de um lado para o outro, entretanto sem conseguir a liberdade. Cansou e pousou. Ficou o dia todo dentro da casa e cada vez que alguém tentava ajuda-lo, ele, crente de que a mão que se aproximava era de um monstro, um predador, fugia novamente.
Por vezes, iludido com a falsa liberdade das vidraças, batia com a cabeça, achando ter encontrado a saída. Podia por elas ver a luz, os amigos, mas, não podia voar até lá. Estava preso e o auxilio que lhe era oferecido soava como perigo e ele se escondia atrás do guarda roupas. Até que a mão forte de Isaura o agarrou, e soltou em liberdade, advertindo-o: “Não entre mais na casa, senão você vai morrer! Voe para liberdade”!
Acaso não somos como este pássaro? Voamos felizes, bons e livres como Deus nos fez (Ec 7.29) e sem perceber nos enredamos com este mundo (Rm 3.23). O diabo prende muitas pessoas e os móveis de sua casa são os prazeres deste mundo e suas soberbas, atrás das quais nos escondemos cada vez que ‘a Mão’ tenta nos pegar. Achamos que temos liberdade, porque conseguimos ver ‘a Luz’ e os demais pássaros, até ouvimo-los cantar! Porém tudo é ilusão e muitas vezes, é dando umas cabeçadas que percebemos a armadilha em que caímos. Só a mão forte do Senhor pode nos ajudar (Is 59.1). Ele a coloca dentro deste mundo e nós muitas vezes o consideramos por inimigo. Enquanto a mão de Deus penetra neste mundo, muitos tentam se esconder atrás dos móveis do intelectualismo, das religiões, dos vícios, da ciência... Essa mão da graça então um dia, nos agarra e nos dá a oportunidade de experimentar a liberdade. E diz: [Vai] “Não peques mais, para que não te suceda coisa pior”. (Jo 5.14). O pássaro agora liberto pela graciosa mão está fraco e precisa se recuperar. Dificilmente sobreviverá se entrar mais uma vez dentro da casa. Ele não tem noção de que muitas outras mãos tentaram salvá-lo, mas não puderam. Ele mesmo tentou sua libertação e não pode. Apenas uma Mão Salva (At 4.12), a de Jesus Cristo.
Muitas vezes, as pessoas ficam assustadas quando a graça delas se aproxima, como se os cristãos ou a igreja fossem monstros, como se estivessem se aproximando para machuca-los.
Final 1.
Será que não está na hora de você abrir os olhos e enxergar o quão preso está? De se render de uma vez por todas ao Senhor e parar de fugir, para de inventar desculpas? Para de olhar para os deito dos outros! Receba AGORA Jesus como Senhor e Salvador de sua vida. Fale em voz alta:
Jesus reconheço que sou pecador, que sou como o pássaro dessa história batendo a cabeça por ai, me escondendo atrás de tantas desculpas. Mas hoje peço, perdoe meus pecados, estenda tua mão e me salve! Eu te recebo como Senhor e Salvador da minha vida. Renuncio todo envolvimento com as trevas e te peço Deus, em nome de Jesus, me receba como teu filho. Espírito Santo, por favor, vem habitar em mim! Obrigado Senhor. Em nome de Jesus, amém.
Agora, procure uma igreja evangélica para congregar, ou se preferir envie um e-mail para contato@sbkauer.com e lhe ajudarei a encontrar uma boa igreja perto de sua casa. Enquanto isso, leia a Bíblia e ore!
Final 2.
Vamos irmãos, vamos ser instrumentos do Senhor para salvar mais pássaros! E nunca mais entremos na casa do mundo, nem nos escondamos atrás dos moveis dos prazeres, pois ali habita a morte e a escravidão. Voe e cante passarinho, você foi feito para louvar ao Senhor!
Final 3
Infelizmente, você resolveu voltar para a casa do pecado novamente, mesmo já tendo sido tirado dela tantas vezes. Já está fraco e a beira da morte, embora pense que ainda está forte. Cuidado, o fim já bate a tua porta. Resta-te pouco tempo e talvez esta seja tua última oportunidade de se reconciliar. Tantas vezes o Senhor já te avisou, já usou a boca de seus filhos e você não tem dado ouvidos, tudo que tem feito é reclamar. Volte para Jesus hoje mesmo, a vida não é uma brincadeira (Ec 11.9; Hb 9.27; Rm 10.9-10)!

O Reflexo

         Um homem a beira do poço. Está com sede. Inclina seu corpo e seus olhos avistam para dentro do poço. Ali pode avistar água. O que mais será que pode ver? Vê Deus! Sim, este homem ao olhar para dentro do poço de Jacó, não vê Jacó, porém, vê o criador de todas as cosias emoldurado entre o azul do céu e o branco das nuvens.
Uma mulher chega e espia para dentro do mesmo poço, o poço de Jacó. Ali não vê Deus, mas sim uma mulher envelhecida, destruída pelo diabo, emoldurada pelo mesmo céu azul e pelas mesmas nuvens brancas... Mas, a esta, em tom melancólico.
O que vira Deus dentro do poço pede água á mulher que ali encontrara o diabo. Ela não pode lhe dar daquelas águas. Porém o homem a exorta: “Se soubesse quem Eu Sou, me pediria água”... Ora que água poderia dar este homem sem balde e corda?
Se aquela mulher simplesmente olhasse para dentro do poço juntamente com Ele, veria que Deus estava ao seu lado, pronto para ajuda-la!
O que você tem visto quando olha para dentro do poço de Jacó? O poço de Jacó é o poço do engano. Se olharmos para dentro dele veremos que não existe mais esperança para nossas vidas e que tudo ao redor é tristeza e enfado. Mas se para dentro deste poço, olhamos com Cristo ao nosso lado, veremos que existe muita vida, vida além das nuvens, uma eternidade de glórias que começa no dia chamado hoje. O dia em que um judeu vence a barreira do ódio e oferece vida a uma samaritana. O dia em que Cristo, odiado dos homens, amado de Deus, vence a barreira do ódio e oferece a oportunidade de união entre o terreno e o celestial, vida eterna a homens mortais.
Olhe para dentro do poço de Jacó, mas olhe com fé de que Cristo está ao teu lado e batizado nestas águas, deixarás lá no fundo o trapaceiro Jacó e andarás com aquele que é Fonte de Águas Vivas.

O valor da Amizade

     Ontem (07/12/10) estive em Santo Antônio da Patrulha, cidade do RS onde, juntamente com Caraá, se encontram muitos amigos preciosos. Ontem, pude revê-los. Primeiramente, preciso recordar de minha família. Hoje, sem dúvidas, minha irmã é minha melhor amiga, juntamente com o Pr. Guilherme de Fátima do Sul-MS (colegas de seminário, hoje distantes, mas ainda próximos de coração). Esses dois eu sei que posso confiar e contar para o que for preciso. Seguindo, revi minha irmã, meu pai e minha mãe. São família, entretanto, são também amigos. Triste coisa é não ter os familiares como amigos. Eu os tenho, e isso me deixa muito feliz. Vê-los ontem congregando, e além de amigos e familiares, também como fruto de oração... Como os amo!
Revi também amigas de longa dada. Caroline e Sabrine, para os íntimos, Branca e Preta respectivamente. Nos conhecemos desce bem pequenos, e não poucas foram as vezes em que discutimos e discordamos. Hoje, como diz a Preta, “somos adultos” e as conversas mudaram bastante. Os anos longes não nos têm afastado, do contrário, nossa amizade tem amadurecido. E como é bom saber que existem pessoas, fora da família, diante de quem posso ser autentico sem ter medo de ser discriminado. Elas sabem quem sou e sei quem são elas. O que precisamos dizer sabemos e falamos na cara, na lata, direto.
Bom foi ver os irmãos da Miraguaia, pouco tempo tem que nos conhecemos, porém já sentimos falta uns dos outros quando a muito não nos vemos.
Outros, grandes amigos, vi só de relance ou troquei poucas palavras, infelizmente não tive tempo de matar as saudades de todos. Mas amigo mesmo entende a pressa do outro, entende o desgaste, ama, mesmo sem esperar nada em troca.
Algo, porém me doeu muito o coração. Dois grandes amigos meus não estavam mais ali. Senti vontade de chorar durante o culto por isso. Meus queridos amigos, preciosos irmãos no Senhor que hoje nem mais sei se o são... Aguardo vocês meus queridos, se estiverem lendo, saibam que espero vocês!
Janeiro, se assim o Senhor me permitir, verei outros preciosos amigos-irmãos. Os amados que juntamente com o Pr. Guilherme, moram em Fátima do Sul.
Um cristão sem amigos só o é de nome, tal como um ímpio sem amigos é como um cadáver.
Uma vez li um material que se propunha a ensinar a fazer amigos. Na verdade quase tudo que encontrei ali ensinava como fazer escravos. Afinal, o que sustenta uma amizade verdadeira, não são as relações de interesse, todavia sim, o amor!

Tempo de recomeçar

Enfim, mensagem eu áudio. Pense um pouco a respeito deste ano. Viveste o cristianismo? Valeu a pena este ano? O que posso melhorar no próximo? Ouça no player abaixo ou faça o donwload clicando AQUI.

Evangelismo essencial

Evangelismo ‘essencial’... Segunda parte da pregação ‘Tempo de Recomeçar’ da série ‘Natal é Vida Nova’... Lucas 19.
Homem rico e de elevada posição social. Zaqueu Porém tinha começado e prosseguido da maneira errada. Era ladrão e não tinha a simpatia do povo.
Usou aquilo que tinha para compensar aquilo que não tinha. Sua inteligência, velocidade (disposição, prontidão) e agilidade compensaram sua falta de estatura na hora buscar Jesus.
Seu esforço chamou a atenção de Jesus.
Recebeu Jesus com alegria. Jesus na casa vale mais do que tudo.
Com Jesus já em sua casa, levantou-se. Teve atitude.
Jesus o evangelizou através da comunhão! O que será que Jesus conversou com Zaqueu? Acredito que deve ter dito: “Hum, que comida gostosa”.
Jesus não era religioso, era alegre! Seu evangelismo estava em sua essência, ELE é Noas Novas. Precisamos aprender o evangelismo essencial. Precisamos aprender a sermos Boas Novas a todo que de nós se aproxima e a todo aquele a quem nos fazemos próximo.
Quando Jesus entra verdadeiramente em uma casa, ali de fato há salvação, não apenas falácia.
Jesus deu a Zaqueu uma possibilidade de recomeço. A vida de Jesus era condizente com suas palavras.
Zaqueu foi contagiado pelo seu novo amigo, e agora queria consertar seus erros!
Agora, te convido a pegar um papel e escrever seus três objetivos para 2011. Talvez sejam recomeços, ou simplesmente começos. Mas, o que pode mudar para que cheguemos mais perto de Cristo e tenhamos sejamos evangelistas essenciais ou evangelistas por essência/exelência?

Jesus radical


A igreja que queremos ser... Primeira parte da pregação “Tempo de Recomeçar” da série ‘Natal é Vida Nova’... Lucas 14.25-33
 Jesus radical... Primeira parte da pregação ‘Tempo de Recomeçar’ da série ‘Natal é Vida Nova’... Lucas 14.25-33
Este texto não apenas parece, mas de fato é bem duro. Jesus exorta severamente sobre o fato de que ser cristão não é brincadeira! Alguns elementos assustadores são apresentados por Jesus para identificar seus seguidores.
1.        Não ame ninguém de sua família mais do que a Jesus.
2.      Esteja sempre disposto a seguir cristo, mesmo que isto implique sofrimento.
3.      Tome uma firme decisão para resistir até o fim.
4.      Renuncia tudo que tem.
O cristianismo é apresentado por Jesus como o caminho estreito. “O caminho que escolhi é o estreito, até parece duro, espinhoso, mas, é leve e perfeito”. [Rodolfo Abrantes]. Muitas vezes falamos sobre o princípio de calcular antes construir e de fato podemos usar, mas o versículo que antecede o 28, fala sobre “carregar a cruz”. A torre, que se deve calcular antes de começar a construir é a entrada no cristianismo! Jesus já estava advertindo que muitos iriam começar a andar na fé e depois, desistir de tudo, deixando sua carreira inacabada.
Seguir Jesus não é uma religião. Só existe um jeito de se tornar discípulo, entrando completamente dentro do cristianismo. Ele te envolve completamente. Seguir não exige muito de seu precioso tempo. Exige TODO seu tempo! E não somente seu tempo, seguir Jesus exige tudo que você tem e é!
Espero não te assustar com o que vou te dizer, mas, muitos dos que se dizem cristãos nem mesmo serão salvos. Ser cristão engloba toda sua vida. O cristão o é quando desperta, quando toma seu café da manhã, quando trabalha e até mesmo ao lavar a louça e ir no banheiro. Ou você é cristão em todo tempo ou não é em tempo nenhum. Ai que está o ponto onde muita gente tem feito confusão. O fato de ser cristão a todo tempo não significa que você não possa fazer “nada” ou que só deva falar assuntos “da igreja”. Do contrário, seja feliz! Seguir Jesus deve necessariamente te fazer feliz! Agora, o tipo de felicidade é diferente. Essa felicidade que o cristianismo oferece é loucura para o mundo como diz Paulo. Simples: Paulo se alegrava por poder sofrer por cristo. Sua alegria provinha de fazer a vontade de Deus, fosse ela ressuscitar mortos ou morrer pelo evangelho. A alegria de Pedro estava tanto em receber a bênção de uma pesca maravilhosa como em ofertar seu barco para Jesus! Estevão, foi um dos homens mais felizes desta terra, viu os céus abertos sobre sua cabeça enquanto era apedrejado por amor a Jesus.
Não estou aqui para falar de um evangelho falso e de “oba, oba”! Estou aqui para falar do Evangelho de Jesus Cristo que é salvação para todo aquele que n’Ele crê! O inferno estará cheio de meio cristãos! Qualquer religião que misture os ensinamentos de cristo com outros contraditórios e assim distorça o que Jesus ensinou, tal religião é de Satanás! Não quero que ninguém aqui seja iludido, pensando que só por vir aos cultos já é um cristão. Cristianismo exige obedecer ao que Jesus ensinou.
Como Igreja, desejo que tenhamos como objetivo para o ano de 2011 sermos mais alegres, termos mais comunhão, sermos mais felizes! Que 2011 seja o ano de fazer churrascos, jogarmos futebol e taco, de brincarmos e nos alegrarmos uns com os outros para honra e glória do Senhor Jesus! Um ano onde possamos muito mais do que agir e falar como cristãos. Seja o ano de sermos cristãos. Fazer e ser são duas coisas diferentes. Muitas pessoas fazem coisas que Jesus ensinou, mas poucas são discípulas de Jesus.
Diante de tudo isto, agora quero entrar em algumas questões pessoais.
1.   Como foi seu anos de 2010? O que fez com que esse ano valesse a pena para você?
2.  Qual relevância você teve para as pessoas ao seu redor, especialmente as da sua família?
3.  Esse ano eu vivi de fato como cristão ou apenas participei dos encontros?
4.  O que fiz pela igreja local na qual congrego?
5.  Como fui como profissional?
6.  Fui cristão em todas as áreas de minha vida?
7.  A vida do jeito que estou vivendo, vale a penas ou algo precisa mudar?

A dívida

Muitos ministérios começam muito bem e de repente, parece que se perdeu a essência do trabalho. O que está acontecendo?
Imagine um homem. Ele tem seu nome limpo e tem crédito na praça. Decide abrir um comércio e o faz. Para tal, contrai um empréstimo e compra as mercadorias no crédito. Desejando ver seu comércio progredir, começa a colocar os preços abaixo do valor de mercado. Seu empreendimento é um sucesso. Muitas vendas, enormes carregamentos chegando, gente para todos os lados, é o assunto da cidade. Pessoas já começam a dizer: “Vamos todos comprar lá, o preço e o atendimento são melhores”.
Com o passar do tempo, este homem já não consegue mais vencer seus compromissos e passa a dever para os fornecedores. Estes por sua vez, não lhe entregam mais os produtos. Os clientes começam a reclamar porque os preços começam a subir. Alguns funcionários são demitidos para conter os gastos, outros têm seus salários reduzidos e acabam por pedir demissão. Por fim, o grande comércio se tornou uma pequena ‘venda’, e todos olham para o homem. Alguns com pena, outros com tristeza... Todos, porém, sabendo que ele fracassou. “Se um de vocês quer construir uma torre, primeiro senta e calcula quanto vai custar, para ver se o dinheiro dá. Se não fizer isso, ele consegue colocar os alicerces, mas não pode terminar a construção. Aí todos os que virem o que aconteceu vão caçoar dele, dizendo: Este homem começou a construir, mas não pôde terminar!” Lc 14.28-30.
Muitos ministérios começam bem, mas acabam se afobando e contraindo dívidas. Irmãos que se desentendem e já não mais pedem perdão... Pessoas apaixonadas por Jesus e por ganhar almas, que agora já não tem mais o mesmo brilho nos olhos... Dívidas.
Não existe mais aquela alegria de servir e aprender. Os irmãos já orgulhosos e ‘espirituais’ não conseguem aprender uns com os outros, na beleza do quotidiano. As palavras predominantes se tornam “isso eu sei” e “a culpa é dele”.
Antes, sentiam-se honrados por conversar com o pastor, agora, o tratam como funcionário, que precisa obedecê-los... Dívidas.
Igrejas endividadas, com dívidas desta natureza, não prosperarão. É preciso zerar o caixa, perdoar, para que então possa tal congregação recomeçar. Se este é o caso de sua congregação, comece por ti. Ore, perdoe, ame. Adote uma postura de humildade e serviço. E que o Espírito Santo nos capacite.

Heresias do Teísmo Aberto

Por  www.carm.org
 O open theism ["teísmo aberto"] ensina que Deus não conhece o futuro ou porque Ele assim escolhe não saber, ou porque o futuro não é conhecível.
Abaixo estão algumas questões a serem feitas aos "teístas abertos".
1. Você crê que Deus aprende?
A. De acordo com o open theism, Deus não conhece as futuras escolhas do livre-arbítrio das pessoas, embora Ele conheça todas as possíveis escolhas que eles possam fazer. Portanto, quando as pessoas finalmente fazem essas escolhas, Deus então aprende o que essas escolhas são. Portanto, o Deus do open theism aprende; isto é, Ele aprende o que se tornam as escolhas de seus seres criados.

B. Se Deus está aprendendo, então, Ele está crescendo em entendimento e ganhando conhecimento?
 2. Você crê que Deus pode cometer enganos? Por exemplo, Deus pode crer que algo irá acontecer e não acontecer?
A. Se Deus aprende o que as pessoas farão somente após elas terem feito, então, é possível que Deus espere que alguém faça uma coisa e, todavia, ela não fazer ? É possível?
i. Se sim, então, você propõe um deus que comete enganos e aprende com os seus enganos. Pode um deus desse merecer confiança? É bíblico esse tal deus?
ii. Se não, você está dizendo que toda vez ele adivinha o futuro de forma correta? Se for assim, então ele é conhecedor das futuras escolhas do livre-arbítrio de todas as pessoas.
B. Se Deus pode cometer enganos, então, como você pode saber que a expiação não foi um engano? Como você pode saber que o fato dEle ter feito você não foi um engano?
3. A Bíblia diz que Jesus levou os nossos pecados em Seu corpo sobre a cruz (1 Pedro 2:24). Se isto é verdade, então, como Deus soube quais pecados seriam colocados sobre Cristo, visto que não tínhamos os cometido ainda quando Jesus foi crucificado?
A. Se você diz que Deus colocou todos os pecados possíveis que poderiam ser cometidos sobre Jesus, então, como Deus poderia saber que tais pecados seriam realmente cometidos? Se Ele colocou todo o pecado potencial sobre Jesus, então, poderia haver pecados colocados sobre Cristo que nunca seriam cometidos por alguém.
B. Se você diz que Deus colocou todo tipo de pecado sobre Cristo, então, Jesus não levou nossos pecados em Seu corpo, visto que os pecados individuais, segundo a posição defendida por você, não teriam sido levados por Cristo.
C. Se você diz que Deus não necessita saber todos pecados que cometeríamos, sobre que base você diz que Ele não tem tal conhecimento? Apenas dizer que Ele não necessita, não prova nada. Se sua resposta é porque o futuro não é conhecível, então, você está fugindo da questão; isto é, você assume ser verdadeira a coisa que você está tentando provar e que não tem prova.
D. VERSOS:
i. 1 Pedro 2:4 diz, "levando Ele mesmo os nossos pecados em Seu corpo sobre o madeiro, para que mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas Suas feridas fostes sarados."
ii. 2 Coríntios 5:21, "Àquele que não conheceu pecado, Deus o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus."

Tradução livre: Felipe Sabino de Araújo Neto
Cuiabá-MT, 04 de julho de 2004.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...