A Célula

A célula



I- Momentos da célula.

1- Quebra-gelo: O período de quebra-gelo deve ser logo no início da célula. Esse período geralmente se inicia com uma pergunta e ou atividade que vise trazer integração e “quebrar o gelo” que geralmente existe no inicio da reunião. Às vezes, as pessoas ficam um pouco tensas ou apreensivas a respeito do que há de acontecer, principalmente os convidados. Outras vezes, ocorre justamente o contrário, os membros da célula já estão tão bem integrados que se perdem em longas conversas e gargalhadas e esquecem que a célula precisa começar.

É no momento do quebra-gelo, que as tensões dos novatos devem ser quebradas e a atenção dos membros deve ser direcionada.

Sugerimos que a cada semana o líder escolha uma pessoa para dirigir o momento de quebra-gelo da próxima reunião, trazendo uma brincadeira, pergunta ou similar que traga uma atmosfera de liberdade, mas ao mesmo tempo de reverencia.



2- Louvor e adoração: Esse período inclui um momento onde são cantadas músicas mais festivas (louvor) que demonstram nossa alegria por tudo que o Senhor tem nos feito. Dançamos, pulamos, batemos palmas... O que não pode acontecer é que os membros da célula fiquem conversando ou distraído nesse momento, ou mesmo que não queiram participar. Tal atitude deve ser repreendida. Entretanto sabemos que nossos convidamos, ainda precisam se converter e por isso muitas vezes ficam fora do que está acontecendo. Por isso, em alguns casos, o líder proporcionará folhas com as letras das músicas a serem cantadas, para que os convidados não se sintam perdidos. É importante que exista uma lista pré-estabelecida dos hinos a serem cantados, que pode ser redigida pelo líder ou encarregado do louvor na célula. Não significa que só será cantado o que está na folha, mas que caso não haja sugestão, não surjam os períodos vagos e do famoso “escolha você”.

É aconselhável, que depois do período de louvor cantado, tenhamos um tempo para louvarmos a Deus com nossos testemunhos. Os testemunhos são um breve relato das maravilhas que Deus fez em nossas vidas durante a semana. Os membros devem ser estimulados a testemunhas, mas se fugirem do assunto, ou se alongarem muito, o líder deve gentilmente trazer a conversa de volta... Após terminar o testemunho, a pessoa ergue a mão sinalizando que terminou e todos gritam: ALELUIA! Aleluia é a base do louvor, pois significa Deus seja louvado.

Após esse período, a igreja (célula) é conduzida em adoração. Nesse momento, adoramos a Deus pelo que Ele é. Lembramos de que Ele é Deus e que nós não merecemos sua atenção, amor e salvação, mas que por Jesus temos acesso a tudo isso. É o momento de fecharmos os olhos, chorarmos, dançarmos no espírito, ajoelharmos... É possível sim, termos um período de adoração muito intenso na célula!

Não pense que convidados não gostam de adoração. É fato, que as vezes podem mesmo não gostar, todavia, as vezes é durante um período profundo de adoração que os convidados tem um encontro com Deus e recebem a revelação da nova vida com Cristo Jesus. Líder, a adoração começa em você. Se você não tiver coragem de fechar seus olhos e invocar a Deus verdadeiramente, os demais também não vão ter! Adore a Deus com todas as suas forças!



3- Ministração: Ministrar a Palavra de Deus sobre os corações das pessoas é uma tarefa de extrema nobreza. Não devemos e não podemos deixar para nos prepararmos no dia da célula. Devemos já antes, estudar cuidadosamente o roteiro, orar muito sobre o assunto e sobre as pessoas que estarão na célula. Às vezes nem percebemos, mas existe uma luta no mundo espiritual para tentar nos atrapalhar de pregar. Por isso, devemos nos preparar da melhor forma possível para tal tarefa.

Pregue tentando trazer o assunto sempre para o diálogo. Coloque as pessoas na conversa, mas não as constranja. Lembre-se, você é o moderador da conversa, se alguém falar bobagem, concerte educadamente e prossiga. A mensagem na célula deve ser dialógica, ou seja, não é apenas o pregador que fica falando e os outros aprendendo. Deve surgir uma atmosfera onde possamos aprender uns com os outros. Perguntas geralmente funcionam bem, mas não devem constranger os convidados.

Após pregar, ministre a palavra na vida das pessoas. Faça isso através de uma oração. Pode pedir que fechem os olhos, e revisar os pontos da mensagem, lembrá-los de algumas coisas...

Em seguida, pergunte se alguém deseja receber oração por si própria. Caso alguém deseje, ore por essa pessoa com imposição de mãos, entretanto, se for do sexo oposto, talvez seja melhor pedir para uma pessoa do mesmo gênero que a pessoa que ore.

Em seguida, quando ninguém mais quiser oração por si mesmo, dirija as orações gerais. Estes pedidos, podem ser por pessoas enfermas, propósitos, escola... Estimule para que as orações sejam compartilhadas e cada membro possa orar por um motivo.



II- Funções na célula



1- Líder: O Líder da Célula é o responsável direto pela célula e também quem toma as iniciativas e decisões. É quem organiza os discipulados dentro da célula, pastoreia os membros, ora por eles e os visita. Deve estar em constante transparência com o supervisor de setor e seguir suas instruções. Deve dar o exemplo!

2- Co-líder: Sempre que possível, o co-líder (auxiliar principal) deve ser discípulo do líder da célula. Ele é um líder em aprendiz, que aos poucos recebe funções delegadas pelo líder, como discipular, dirigir a reunião, pregar... O co-líder é quem assume a célula quando o líder não pode ir e também quando o líder pede que isso seja feito. Quando a célula se multiplicar, será o co-líder que se tornará o novo líder.

3- Anfitrião: O anfitrião é o dono da casa onde a célula se reúne. Ele é o responsável por organizar o lanche, as cadeiras, e tudo mais que envolva a estrutura física onde a célula se reúne. Deve SEMPRE colocar as cadeiras em círculo e estar com tudo pronto antes dos membros chegarem. Um bom anfitrião deve ser simpático e convidar muitas pessoas, afinal a casa é sua e ninguém melhor que ele mesmo para convidar!



III- Registro



Temos um sistema organizado de registro de nossas células. Relatórios são fornecidos e devem ser preenchidos pois são de suma importância par ao andamento da célula. Além disso, semanalmente são entregues Roteiros para líderes e co-líderes contendo as informações sobre a célula, avisos e palavra. Tais roteiros devem ser guardados pelos líderes pois terão utilidade futura. O Material para a célula (pregações sobre o M.D.A., roteiros, apostilas, relatórios e etc.) é também disponibilizado no site www.sbkauer.com na seção downloads.





IV- Escolhas

1- Natanaéis: Os natanaéis são as pessoas que temos o alvo de ganhar para Jesus. Oramos e buscamos essas pessoas para as células. Cada pessoa deve ter 3 Natanaéis.

2- Amado da Semana: O líder da célula, durante a semana deve discernir em Deus, uma pessoa que será o “amado da semana”. A intenção é que possamos demonstrar nosso amor a essa pessoa, o quanto ela é importante para Deus e para nós também. Os demais membros devem durante a semana posterior a célula arranjar um jeito de manifestar seu amor ao amado da semana. Podem fazer isso com visitas, presentes, depoimentos, mensagens, serenatas, passeios...

3- Data da Multiplicação: A data da multiplicação é o dia profético que colocamos em um cartaz na sala de reunião da célula. Oramos e agimos para que nesse dia, a célula se multiplique. Essa estratégia é importantíssima e deve ser levada a sério. Precisamos ter alvos, metas objetivos! Discirna em Deus a data da multiplicação.

4- Nome da Célula: Cada célula deve possuir um nome próprio. Esse nome não serve apenas para que identifiquemos a célula, mas para que exista uma tarja profética sobre a célula! Devemos crer no sobrenatural de Deus e profetizar sobre nossas células! Nomes como “Salva Vidas”, “Tropa de Elite”, “Exército de Cristo” são alguns exemplos.


Sidinei Bühler Kauer

0 comentários:

Postar um comentário

Olá! Deixe aqui seu comentário isso nos ajudar a crescer!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...