Uma Torre de Adoração.

“Visto que este povo se aproxima de mim e com a sua boca e com os seus lábios me honra, mas o seu coração está longe de mim, e o seu temor para comigo consiste só em mandamentos de homens, que maquinalmente aprendeu...” Is 29.13


Qual a fé que temos vivido? Ou melhor, por que temos vivido essa fé? Verdade é que a grande maioria de nós tem “sua fé”, mas nunca se perguntou de onde ou como ela surgiu. Muitos olham para dentro do mundo evangélico e dizem: “Você crê, porque as circunstancias te levaram a isso...” Bom, eu creio que as circunstancias realmente são instrumentos na mão de Deus... Mas isso é conversa para outro dia. Entretanto, quero te convidar a pensar um pouco, não sobre porque ser cristão, mas porque ser cristão da forma como você é.

Alguns oram gritando, outros baixinho. Alguns só oram de joelhos e outros oram até rolando no chão... Verdade é que muitas das coisas fazemos porque aprendemos “maquinalmente”. Um computador quando recebe um software não questiona se o software faz coisas verdadeiras ou falsas, mas simplesmente o executa. Claro que nos dias do texto bíblico não existiam computadores, mas “já existia” Deus! Ademais, estamos aqui falando analogicamente.

O que de nossa fé é genuíno, baseado e testado pelas escrituras? Em Is 29.15 está escrito “Ai dos que escondem profundamente o seu propósito do Senhor, e as suas próprias obras fazem às escuras”. É muito fácil ficarmos a criticar uns aos outros por longo tempo... E muitos tem se ocupado nisso. Com que intuito? Defesa da fé ou busca de fama? Infelizmente, algumas vezes nós buscamos fazer coisas, aparentemente espirituais simplesmente para que nosso nome seja engrandecido. Dizemos ao Senhor, “me dê oportunidade de anunciar o teu evangelho para que Teu nome seja glorificado”, mas muitas vezes o que estamos pensando é em ficarmos conhecidos, “famosos”... Tentamos esconder nossos desígnios de Deus e enganamos a nós mesmo com uma falsa espiritualidade!

Aprendemos “maquinalmente” a viver a fé de acordo com a “cultura religiosa” de nossa comunidade e a vivemos rigorosamente para ter um “status eclesiástico”. Ou nos levantamos em denúncia contra uma religiosidade vazia, sob a pseudo-afirmação de que desejamos uma fé bíblica, quando na verdade tudo que almejamos são futuras aclamações! Espero sinceramente que tudo isso que estou falando não seja o seu caso, mas acho pouco provável que alguém escape de todos estes tópicos. Em determinado momento, até mesmo sem intenção, acabamos pecando em uma destas afirmativas, afinal de contas, maquinalmente aprendemos, logo, maquinalmente executamos! Isso nos faz vítimas de um sistema que nós mesmos fortalecemos. Criamos a engrenagem que nos esmaga.

Em Gn 11, temos o relato acerca da Torre de Babel. Um povo unido e poderoso, que podia executar grandes feitos, perdeu quase toda essa capacidade por causa de sua fome de glórias e foi disperso pela terra. Cada dia fico mais assustado, ao ver como temos sido dispersos, divididos e afastados. Diferentes “línguas” têm sido faladas no mundo evangélico, e não conseguimos erguer juntos uma torre de adoração a Deus porque tentamos separados erguer torres de glórias a nós mesmos!

Babel (confusão) já está no nosso meio. A Igreja já está dispersa e cada denominação fala uma língua. Acaso não está na hora de pararmos de viver maquinalmente nossa fé e voltarmos para a Bíblia e iluminação do espírito Santo? Quando o Batismo de Fogo veio, línguas diferentes eram faladas, mas todos se entendiam! A Torre de Babel era um sinal visual que trazia unidade para aquele povo. Mas hoje não precisamos de uma união de aparência (visual) para a Igreja. Não precisamos de união de vanglória que traz repentina destruição. Precisamos de uma unidade mais profunda, uma união que possui como sinal o amor, um sinal interno que nos permite falar línguas diferentes, e continuar se entendendo, construindo uma torre, uma Torre de Adoração a Deus, vivendo uma fé Bíblica e por isso poderosa e impactante. Que o Senhor Deus nos abençoe e possamos viver unidade em amor.


Nota: A idéia original da comparação entre a Torre de Babel e o Batismo de Fogo provém de Ariovaldo Ramos.

Sidinei Bühler Kauer

www.sbkauer.com

Perdão Íntimo

Esse texto é uma parábola, uma história que Jesus inventou para explicar coisas profundas do Reino, que de outra forma as pessoas não entenderiam.
É evidente que o rei aqui é Deus e o servo devedor cada um de nós. A dívida do cidadão era de 10.000 talentos. Essa dívida representa o que devemos a Deus por causa de nossos pecados. Então, será que podemos pagar essa dívida? Quanto vale 10 mil talentos?

“Todos os impostos da Judéia, Peréia, Samaria e Galiléia durante um ano eram de oitocentos talentos. Dez mil talentos representavam todos os impostos da nação por treze anos.
“Um denário era equivalente ao salário de um dia de trabalho, naquela época, e um talento a mais de 5.400 denários. Dez mil talentos representavam cento e cinqüenta mil anos de trabalho a um denário por dia. Cem denários representavam apenas três meses de trabalho”. Hernandes Dias Lopes1

Veja: A Dívida do servo ao rei só poderia ser paga com 150 mil anos de trabalho! Ou seja, o que Jesus estava dizendo: É impossível que um ser humano acerte (pague) as contas com Deus!
Quando o rei viu que o servo não tinha como pagar, ordenou que fossem vendidos o servo juntamente com toda a família. Entretanto, a venda deles como escravos não seria nada perto da dívida. 10 mil talentos equivalem a 174 mil quilos de ouro, enquanto que o preço de um escravo era apenas 30 moedas de prata! O servo implora ao rei que lhe de mais tempo para pagar, mas a menos que o Rei esperasse 150 mil anos, o servo nunca poderia lhe pagar a dívida! Então, o rei atende ao pedido de misericórdia do servo e lhe perdoa a Dívida! O rei perdoou a dívida que era impagável!
A nossa dívida para com Deus, foi, é e sempre será impagável! Não importa o que fizermos e como fizermos, JAMAIS poderemos pagar nossa dívida para com Deus! A única coisa que podemos fazer é pedir que Ele tenha misericórdia e nos perdoe! Não temos direito de exigir ou determinar nada a Deus! Tudo que Ele faz para nós é por misericórdia e não merecimento nosso! Na cruz, Jesus rasgou o documento onde estava registrada nossa dívida (Cl 2.14). Então devemos ser eternamente gratos a Ele pelo seu favor a nós, isso se chama Graça! É sobre isso que Ef 2.8 Fala. Somos salvos “pela graça mediante a fé”. A salvação está em ter fé na obra da cruz e obedecer o Grande Rei Jesus que nos perdoa.
Entretanto, vemos que o servo, ao sair da presença do rei e encontrar um conservo o esgoelava por lhe dever 100 denários. A dívida do conservo equivalia a um seiscentésimo milésimo (1/600.000) da dívida do servo para com o rei1. A dívida do servo era de 150 mil anos de trabalho, a do conservo de 3 meses de trabalho!
Veja que era incabível que o servo cobrasse seu conservo, visto que havia sido perdoado de uma dívida maior! Quando o conservo, pedia misericórdia e alegava que pagaria com mais tempo, estava falando a verdade, afinal era uma dívida pagável. Mas quanto o servo do rei falava, era mentira, pois era uma dívida impagável. E além de tudo, o servo lançou o conservo na cadeia até que pagasse a dívida!
Ao saber de tudo isso, o rei fica desapontado e manda prender o servo. Perceba que a ira do rei não era pela dívida do servo, mas pelo fato de que depois de ter sido perdoado não perdoava!
Sempre que nos arrependemos, pedimos perdão para Jesus e mudamos, Ele nos perdoa, mas faz uma objeção assustadora: “e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores” Mt 6.12. Vemos tanto na parábola, como na oração do Pai nosso, que o perdão de Deus a nossos pecados está relacionado ao nosso perdão em relação aos outros homens! Veja Mt 18.35: “Assim também meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão.” Meu Deus, tem misericórdia de mim! É assustador ouvir esses versículos porque não falam apenas de perdoar, mas de “perdoar no íntimo”. Não está apenas falando de se arrepender e perdoar com os lábios está falando de remover do coração completamente a dívida que nosso irmão tem conosco e isso só é possível por milagre de Deus!
Na informática, podemos dar um delete em um arquivo, mas ele continua na lixeira. Se dermos um shift delete ele desaparece de nossos olhos, mas continua no disco e os programas da polícia podem o encontrar, porque ele ainda está no íntimo do HD. Somente usando programas como o Revo Uninstaller e similares, conseguimos remover de verdade um arquivo. Como o Revo faz isso? Ele escreve sobre o arquivo! O único modo de perdoarmos nossos irmãos é através de uma intimidade profunda com Deus, e o amor divino, escreverá sobre a ira! Precisamos nos encher do amor de Deus e perdoar no íntimo a todos que nos tem machucado, isso se chama cura interior. Não importa quem seja e o que tenha feito, precisamos passar o Revo de Deus em nossos corações e excluir permanentemente de nosso íntimo toda ira, mágoa, rancor, ciúmes e similares de nossos corações.
Entretanto, existem casos que são realmente imperdoáveis! Como um jovem pode perdoar um pai que o abusou na infância? Como uma mulher pode perdoar um marido que a traiu? Para nós isso é de fato impossível, inadmissível... Mas para Deus não há impossível! Quando nos esforçamos para perdoar, declaramos que perdoamos e buscamos uma intimidade profunda com o Espírito Santo, ele faz um milagre e a pessoa então consegue perdoar! Concluímos então que devemos perdoar, mesmo que para isso Deus precise intervir sobrenaturalmente!

Fonte de dados: http://ipandorinhas.com.br/estudo/arquivo.php?cod=19

Sidinei Bühler Kauer
www.sbkauer.com
http://aliabrasil.ning.com
missionario@sbkauer.com

O Banquete

A felicidade está na unidade e na unidade existe um banquete!


Sidinei Bühler Kauer


1. A plenitude da individualidade consiste em ser único edificando o coletivo.

1.1 Jesus foi individual, e sua individualidade foi fundamental a coletividade. (Jo 17.11) [Trindade]

1.2 Cada vez que você tira algo de um lugar, outra coisa ocupa o lugar desse objeto. Se todos na casa querem seus direitos, mas ninguém serve, surge um vácuo para Satanás ocupar!

1.3 O seu papel na família é perfeitamente executado quando antes de exigir seus direitos você cumpre seus deveres!

1.4 Conclusão: A perfeição da individualidade é ser útil a coletividade.

2. Jesus é a verdade (Gr. Alethéia = Aquilo que é real, mas precisa ser revelado, Bonhoeffer). Real, revelou-se, revela-se e é revelado através de nós e precisamos conhecê-lo novamente e complementarmente a cada dia.

2.1 Quem aprende a fazer um bolo, não pode dizer que entende de culinária, mas sim, unicamente que entende especificamente daquele tipo de bolo. (Jo 8.32 e Os 6.3)

2.2 Nós julgamos os outros partindo do que somos, pensamos e sentimos, mas ninguém é igual!

2.3 Não pense que conhecer muito, sobre o que quer que seja, lhe priva da obrigação de conhecer mais ainda.

2.4 Por mais que conheça seu cônjuge, seus filhos... Sempre existe mais a ser conhecido, pois o ser humano é novo a cada dia.

3. O ser individual, que edifica a família, é aquele que admite que não sabe cozinhar, entretanto, crê que por ter aprendido algumas receitas, pode um dia vir a ser um exímio cozinheiro. (Lm 3.21)

3.1 Quando surgir mais um problema, lembre-se dos outros que já resolveu. Você pode!

3.2 Se você já venceu problemas nível “5”, não ache pequena a luta de quem enfrenta pela primeira vez um nível “2”. Pois o “2” para quem só conhecia o “1” e como o “6” para você: RESPEITE!

3.3 Se você não consegue vencer um problema nível “2”, não se julgue inferior a quem vence problemas nível “4”: Deus olha o coração. (1Sm 16.7)

4. Antes de reclamar que está sentindo cheiro de queimado, lembre-se que a tentativa era fazer um delicioso bolo para ti!

4.1 Seus familiares não são teus inimigos. A ação muitas vezes não corresponde à intenção. Pessoas tentando fazer coisas boas às vezes fazem coisas más. A mulher queima a calça por tentar passar ela bem. O marido suja a roupa trabalhando para comprar uma máquina de lavar...

5. Sempre fazemos a comida de acordo com o tempero que agrada a nós mesmos. Porque esperar que os outros façam algo diferente disso?

5.1 Se não temos porque esperar o algo diferente, surpreenda: - Faça a comida segundo o gosto de outrem! (Mt 22.39 e Lc 6.31)

5.2 Agir para com o outro, de acordo com o gosto do outro e não de acordo com o seu próprio gosto não é antagônico ao versículo acima, no sentido de que você estará agindo do jeito que agrada a pessoa assim como gostaria de ser agradado!

6. Muitos produzem os alimentos, você os prepara só, muitos comem.

6.1 Se você está estressado porque parece que tudo está sobre você, lembre-se que um dia esteve antes e logo estará depois. (Lm 3.21)

6.2 Infelizmente somos cíclicos, então quando um estive em baixo, que o que estiver em cima o puxe e vice-versa. Se os dois estiverem embaixo, dêem as mãos e levantem. (Ec 4.12)

7. Nem sempre você terá quem cozinhe para ti; Muitas vezes terá que cozinhar para os outros e sempre, sempre precisará comer! Então: APRENDA A COZINHAR! (Pv 4.7)

7.1 Às vezes estará chorando e precisará resolver os problemas sozinho. Outras vezes terá que ajudar os outros. Mas sempre precisará decidir e arcar com suas decisões. Sempre estará plantando e colhendo... Sempre estará VIVENDO! Então: Aprenda com Cristo como viver! (Pv 9.10)

8. Conclusão: Algumas vezes alguém vai cozinhar para você, ou seja, resolver os problemas por ti, te ajudar. Outras, terá que resolver os problemas ajudando os outros. Mas de uma forma ou outra, precisará aprender a cozinhar, aprender a viver! Então, leia a Bíblia, o grande livro de receitas. Mas assim como na culinária, não basta apenas ler as receitas, precisa o “toque” do mestre cuca... Estude a Bíblia e receba o “toque” do Mestre, e sua vida... SERÁ UMA DELÍCIA, UM BANQUETE! (Ap 3.20)


Sidinei Bühler Kauer

www.sbkauer.com

http://aliabrasil.ning.com

missionario@sbkauer.com


sbkauer.com®

O dia em que Deus pregou o Evangelho!

Não pense você que veio a igreja hoje para ouvir a melhor pregação que já se fez na face da terra. Você veio à igreja para ouvir sobre a melhor pregação que já se fez sobre a face da terra.

A melhor e a única pregação do evangelho que já se fez sobre a terra, foi feita por Deus! Ele tomou alguns soldados como seus martelos, e com eles pregou seu filho Jesus Cristo, que é o Evangelho, pregou-o naquela cruz! Essa foi a única e genuína, e a melhor pregação de todos os tempos! Tudo que temos feito de lá para cá apenas é apregoar as verdades dessa única e verdadeira pregação feita por Deus!

Toda mensagem que fica aquém disso ou que vai, além disso, corre sérios riscos de ser uma heresia. Tudo que quero nessa noite é exaltar a grande pregação feita por Deus!

Porque Deus teve que pregar seu filho Jesus na Cruz? Porque a genuína pregação de todos os tempos precisou ser feita?

Deus é Deus antes de existir tempo e isso não temos como medir e entender. Se você for pensar em um Deus eterno que existe antes de tudo e para além de tudo o conceito de tempo deixa de existir. O tempo surge quando surgem seres temporais. Obviamente, que se você for pensar no conceito genuíno e divino de eternidade, verá que somente Deus é eterno de fato, porque tudo que Ele criou teve um começo e apenas Ele mesmo sempre existiu. Logo, a primeira premissa que quero que você entenda nessa noite é que não existe nada nem ninguém eterno além de Deus! Assim, o único jeito que existe de algo ou alguém se tornar eterno, no sentindo pleno da palavra é fundindo-se com Deus. Então para que possamos ser eternos, além de viver para sempre, precisamos nos unir com Deus, misturar-se com Ele.

Verdade é que Deus criou o ser-humano para ser sua família. Criou a Humanidade e a colocou em um jardim para que ali, pudesse ser muito feliz e desfrutar de uma comunhão intima com Deus. Só que esses seres humanos, dotados da capacidade de decidir, de escolher os caminhos por onde andar decidiram desobedecer a Deus, que é o que simboliza o momento em que Eva comeu da fruta proibida! Dali em diante, todo esse espaço que temos vivido faz parte de um plano de Deus para resgatar a humanidade e trazê-la de volta a sua presença.

Quero que você perceba que a Bíblia não é um livro que conta o “Plano A” de Deus, porque o “Plano A” de Deus era plantar a humanidade no Éden para que ali ela pudesse ser feliz para sempre. Mas Ele sabia que essa mesma humanidade, dotada do poder de decidir, acabaria por destruir por completo esse projeto. Então a Bíblia é o relato do “Plano B”, da missão de Resgate do Deus Bom que Salva o homem mau!

O Ser-humano era muito inteligente, tanto que até hoje os cientistas dizem que não usamos nem a metade de toda nossa capacidade intelectual. Hora, se temos um cérebro tão grande, creio que um dia já o usamos por completo. Mas sabe o que se passa meu amado?

Abra sua Bíblia comigo em Oséias 4.11 “A sensualidade, o vinho e o mosto tiram o entendimento”. Sensualidade, vinho e mosto representam nossas alegrias carnais. Nos entregamos aos prazeres desde mundo crendo que isso nos saciará, quando na verdade tudo isso é idolatria e nos tira o entendimento. O PECADO TIROU O ENTENDIMENTO DA HUMANIDADE! A humanidade passou a idolatrar os prazeres da carne e tornou-se burra, inclusive para a revelação de Deus!

Deus então não pode mais revelar-se ao ser humano como fazia com Adão! Leia o Antigo Testamento e você verá que Deus fala cada vez com menos servos e de uma forma cada vez mais impessoal!

O pecado inicia uma reação em cadeia em toda a criação! Além de ficar burro, o ser-humano passa a viver menos tempo, as doenças e a morte chegam e até a criação começa a sofrer as conseqüências!

Deus é a Fonte da Vida e quanto mais a humanidade se afastava dessa fonte mais destruição entrava nesse mundo.

A terra começa a entrar em colapso e Deus precisa intervir. Começa sua revelação progressiva ao homem burro, para que ele aos poucos seja capaz de entender a Deus. Escolhe um povo e começa a cuidar dele de uma forma diferenciada. Mas este povo ainda assim não o entende e então de dentro desde povo, levanta alguém para dar cheque mate no pecado e em suas conseqüências, dentre elas a pior de todas a morte!

Antes de vermos essa intervenção divina para salvação, vamos entender mais um pouco porque a humanidade precisava ser salva. Rm 1.28-32 Veja o que está acontecendo aqui. Os seres humanos, mesmo depois da queda receberam a exposição do “conhecimento de Deus” e mesmo assim ainda o rejeitaram! Assim que, Deus deixou então essas pessoas sujeitas a suas próprias decisões e desejos e o que aconteceu? Os seres humanos se transformaram em verdadeiros demônios! E se Deus fez o inferno para castigar a Satanás e aos desobedientes demônios que antes eram anjos no céu, mas por rebeldia se tornaram mal e viraram demônios, também os seres humanos rebeldes, que por sua maldade e rebeldia se tornaram semelhantes a demônios tornaram-se merecedores do mesmo inferno!

Não foram um ou dois seres humanos que tomaram esse caminho, foi toda a humanidade! E você vê bebes tentando roubar o brinquedo uns dos outros! Você menininhos levantando a saia de meninas! A criança mal nasceu e já sabe bater nos outros! E quando não é atendida de seus desejos egoístas, usa sua arma secreta: o choro!

Rm 3.10-18 reflete qual é a realidade do ser-humano! Todos pecara e se tornaram inúteis! Não servimos para nada alem de destruir tudo que está ao nosso redor! Perceba que tudo que chega perto do ser-humano fica pior do que estava antes! Já ouviu falar de algum lugar que ficou melhor depois que o ser humano passou a explorá-lo? Olhe para nosso Planeta. O que você vê? Anos a fio de existência humana sobre a Terra a deixaram em um período de exaustão tão grande que se nada for feito urgentemente ela vai parar de funcionar! Cada vez menos terrenos são férteis para o cultivo! Cada dia novas doenças surgem! Cada dia atrocidades maiores são ouvidas como pessoas que abusam sexualmente de bebes, ou os colocam em uma panela para comer! A pouco tempo você ouviu falar do pai que trancou a própria filia no porão da casa e teve vários filhos com ela! Um monstro, sim, um monstro que cada um de nós nos tornamos, cada um de nós tão culpados e merecedores do inferno como aquele homem!

Vai negar? Então Leia Rm 6,23, “o salário do pecado é a morte...”, não diz o salário de qual pecado, simplesmente diz que se alguém pecar torna-se merecedor do inferno! Não existe concerto algum para humanidade! Não existe chance de um ser humano tornar-se bom e livre do inferno! Você já pecou? Já mentiu, roubou, matou? Já pensou em bater em alguém? Já disse algum palavrão? Já cobiçou alguém ou alguma coisa? Se sua resposta foi sim a alguma dessas perguntas então você é merecedor do inferno! Se você respondeu “não” a todas então é também merecedor do inferno, porque acaba de mentir!

Veja Rm 8.22 e fique abismado! A própria criação de Deus, ou seja, todo o restante da criação, as plantas, os animas, as estrelas... A criação não suporta mais a nossa presença e “geme”, grita de dor porque somos uma peste sobre a face da Terra! Veja a quantidade de lixo que produzimos, veja a poluição, os resíduos radioativos, as anomalias, as transgenias e demais mutações! Estamos destruindo tudo que se aproxima de nós! NADA SUPORTA FICAR PERTO DOS SERES HUMANOS! Tudo que se aproximada da humanidade entra em um processo de corrupção! Degradamos tudo àquilo do qual nos aproximamos!

Bom, mas o que importa tudo isso, o objetivo de Deus é que fossemos uma família, a sua família. Temos cumprido isso? NÃO! Primeiro porque a humanidade por si mesma nuca foi família de Deus. Desde o início se rebelou. Mas pelo menos temos sido família entre nós mesmos? Não! Antes, cada homem tinha várias mulheres, depois, passou a ter uma só em casa, mas continuou tendo várias fora dela. Hoje, não somente existe traição, mas também homossexualismo, bissexual ismo, e ficamos abismados ao ver casais de lésbicas tentando engravidar para “formar uma família”. Não, além de falharmos em tudo, falhamos também no propósito de ser família.

Tudo falhou, tudo ruiu, tudo deu errado para o homem que decidiu viver sem Deus!

Mas se a realidade é essa, o que fazer então? Qual foi a solução?

A SOLUÇAO FOI DEUS PREGAR O EVANGELHO! O que é o evangelho? O evangelho é Jesus Cristo e Deus o pregou em uma cruz nessa terra!

Quando tudo falhou, Deus pregou o evangelho! Quando a morte tinha vencido, Deus pregou o Evangelho!

O que comumente falamos é que o Deus justo morreu no lugar de nós pecadores, mas se assim de fato tivesse sido, Deus estaria contradizendo sua própria palavra que diz “O que justifica o ímpio, e o que condena o justo, tanto um como o outro são abomináveis ao SENHOR.” (Pv 17: 15)

Deus Pai não poderia aplicar em Jesus o castigo de Rm 6.23 porque isso seria uma contradição a sua própria palavra. Jesus Cristo, o Evangelho de Deus não poderia simplesmente morrer na cruz por nossos pecados, pagando o castigo em nosso lugar! Além do que, se a morte é o salário do pecado, Jesus sendo Deus é imortal e jamais morreria! É uma loucura pensar em um Deus imortal que morre! É loucura pensar em um Deus justo que castiga um inocente para libertar culpados!

Nada disso faz sentido! O que aconteceu então? Aconteceu foi que Jesus Cristo, veio até a Terra, viveu em santidade, e de uma forma milagrosa, tornou-se pecado! “Aquele que não conheceu pecado, ele o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus.” 2Co 5.21 De uma maneira miraculosa, Jesus tornou-se a personificação de todo o pecado! Como o Deus imortal morreria como punição pelo pecado? Ele se fez pecado! Ele sugou para dentro de si todo o pecado! E o que isso produziu? O resultado desta atitude de Jesus, é que TODA A IRA DE DEUS VOLTOU-SE SOBRE JESUS! Não apenas o cumprimento de uma lei que estabelecia que alguém precisava morrer, mas toda a ira de Deus pelo pecado passou a estar sobre Jesus!

“Sabei, pois, isto: nenhum incontinente, ou impuro, ou avarento, que é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus. 6Ninguém vos engane com palavras vãs; porque, por essas coisas, vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.” Ef 5.5-6

Jesus tomou sobre si a impureza, a avareza, a idolatria... Tomou sobre si tudo isso e passou a estar debaixo da Ira de Deus! Is 53.1-5;10 “Todavia, ao Senhor agradou moê-lo, fazendo-o enfermar;”

E Jesus na cruz grita: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Mc 15.34 não porque estava sofrendo e logo entregaria sua vida, mas porque o Pai tinha realmente o abandonado, pois olhava para Jesus e enxergava sobre Ele TODO o pecado! Jesus não foi apenas pendurado na cruz como todo o condenado era naqueles dias. Pregos que eram utilizados para qualquer outra coisa, menos para pendurar malfeitores, fora pregados me Jesus: ERA DEUS PREGANDO O EVANGELHO! O próprio Deus pregando Jesus Cristo na Cruz, usando os soldados como martelo, e derramando sobre Ele todo o cálice de sua ira, fazendo assim justiça e punido o pecado com a morte!

Jesus, o imortal, se fez pecado, para que assim pudesse entregar a sua vida e cumprir toda a justiça de Deus! Ninguém mais poderia fazer aquilo! Ninguém mais suportaria receber TODO o castigo de Deus por todos os pecados e então ainda expirar! Ainda que o próprio Arcanjo Miguel fosse para cruz, seria um sacrifício microscópico e insuficiente perto do tamanho do pecado!

Nada maior do que Ele havia, há ou haverá! Jesus recebeu sobre si o salário do pecado e ainda recebeu adiantado pelos pecados que ainda seriam cometidos!

O sacrifício de Jesus foi e continua sendo suficiente!


Sidinei Bühler Kauer

www.sbkauer.com

A lei intrínseca em nossos corações.

Tem certas coisas que ninguém discute. Coisas quem qualquer lugar que você vá serão pensadas da mesma forma, com apenas algumas alterações referentes a forma e intensidade. Por exemplo, podemos encontrar culturas onde pessoas podem namorar inflamadamente em público e outras em que mal podem pegar na mão um do outro enquanto estão em público, mas em ambas as culturas, se tirarem a roupa em praça pública correrão o risco iminente de serem levados à cadeia.

Essa lei é muito parecida em quase todas as culturas. Em alguns países, a mulher é considerada sem valor e o homem tem o direito de contrair vários matrimônios. Já em outras, a mulher tem muito valor e cada homem pode casar-se com uma só mulher. Entretanto, em ambas as culturas, o estupro é considerado uma coisa inadmissível, horrível, digna muitas vezes de punição com morte! Mesmo em lugares onde a mulher é tida como sem valor, se um homem a estuprar se torna culpado!

Existe um código ético é um padrão de conduta social presente em todas as culturas. E o que podemos perceber é que este padrão parece não respeitar fronteiras geográficas, étnicas e culturais. Por qualquer lugar do mundo em que você for o assassinato será sempre visto com ares de reprovação!Por regra geral, roubar é crime.

· O código ético e o padrão de conduta têm mais valor na coletividade do que na individualidade.


Agora você há de concordar comigo, que embora estes valores existam e sejam semelhantes em grande parte do globo terrestre, eles possuem mais valor na coletividade do que na individualidade. Ou seja, as coisas que por praxe consideramos como “erro”, desprezíveis, e abomináveis, são as coisas que dificilmente alguém faz em público. A violência doméstica já exemplifica isso em seu próprio nome: “Doméstica”. Ora se é doméstica, supõe-se que ocorra em oculto, e não sob os olhos de um grande público. Em geral, clinicas de aborto são escondidas, motéis luxuosos muitas vezes são construídos em lugares isolados. Tudo isso porque embora exista um código de conduta mundial, ou melhor, um código de conduta intrínseco a todo ser humano, o cumprimos na coletividade, mas o burlamos as ocultas, criando assim máscaras.

Esse fato se dá justamente por esses padrões e regras serem da coletividade, internalizados sim em cada ser-humano mas não adotados por cada ser humano. Uma coisa é você conhecer as leis de transito e respeitá-las porque sabe que no trecho que está passando existe fiscalização. Agora completamente diferente disso é você conhecer as leis de transito e respeitá-las em qualquer lugar em que estiver, até mesmo em uma fazenda a quilômetros de distancia do primeiro sinal de civilização!

Assim, existe uma lei, um código de lei que é único na humanidade que está cravado dentro de todo ser humano. Um código que é respeitado por um policiamento mútuo mas que quando estamos sós não temos muitos escrúpulos para quebrá-lo. Qual o homem que nunca pensou em estuprar ou que ao menos nunca tenha pensado com malícia em relação a alguma mulher? Qual a mulher que nunca cobiçou algum músculo masculino, ou que meramente “gamou” nas pernas de um jogador de futebol? Quem, homem ou mulher, que pode negar que já teve vontade de roubar?

Assim, o que temos vontade de fazer é uma coisa e o que fazemos é outra. O que fazemos em público é bom mas o que fazemos em particular tende a ser mal. Por quê? Será que o ser-humano já nasce com tendência a falsidade? Será que não tem outro jeito a não ser viver nesse mundo de máscaras e enganação?

· Julgamos as coisas de acordo com código interno do grupo em que pertencemos


Minha reflexão não pára por ai. Em se tratando de valores macros, vimos que são semelhantes e aculturais. Mas em valores médio e micro, cada grupo possui um código interno que é formado pela equiparação dos valores dos indivíduos pertencentes a tal grupo. Logo, em um grupo que escuta heavy-metal, escutar pagode é considerado erro fatal! Em um grupo de cristãos, não ler a Bíblia e considerado uma falha. Em se tratando de um grupo de usuários de droga, não usá-la é ser careta, trouxa, banana...

· Quando a degradação interna é transferida para outros indivíduos e se coletiviza os valores naturais (patentes a todos) são corrompidos ou mesmo removidos.


Para 90% da população, matar é algo horrível. Mas para 90% dos pertencentes a Al Qaeda, matar não é tão ruim, aliás, pode ser muito bom. O mesmo acontece na boca de fumo. Para quem está ali, usar a droga não é algo tão condenável.

E o que fazer com tudo isso então? De que nos serve saber todas estas coisas? Bem, se você leu até aqui eu não posso lhe deixar ir sem antes fazer algumas perguntas e tentar dar-lhe algumas respostas.

Se existe um código de lei intrínseco a toda humanidade, de onde veio esse código? Se não cumprimos essas leis quando estamos sozinhos ou em nossos pensamentos, porque não a eliminamos de vez da sociedade e ficamos livres para fazermos o que bem entendemos?

Em relação a segunda pergunta talvez você tenha prontamente respondido: Não podemos riscar essas leis porque isso geraria o caos completo! Pessoas seriam assassinadas a cada 10 metros, estupros e assaltos seriam a cada segundo! Ninguém mais trabalharia... Tudo iria pelos ares!

Oh... Então agora estamos perto de responder a primeira pergunta!

Em primeiro lugar, gostaria de dizer que a idéia de que esse código de lei surgiu através de “evolução da sociedade” não procede. Pelo simples fato de sociedades remotas como tribos indígenas terem o padrão básico muito parecido com o nosso.

Dizer que todo sociedade origina-se de uma mesma raiz e que estes padrões evoluíram daí também não procede. Civilizações que se desenvolveram em lugares distintos teriam leis intrínsecas completamente antagônicas e em nada semelhantes.

A que conclusão podemos então chegar? DEUS EXISTE!

Deus formou o ser-humano a sua imagem e semelhança e isso acentua-se quando fazemos essa reflexão acima. Vemos que os valores divinos estão cravados dentro do ser-humano e este reluta em obedecê-los, mas quando está diante de outro ser-humano, também feito a imagem de Deus, a lei interna torna-se mais forte.

Abra comigo em Rm 2.12-16 “Assim, pois, todos os que pecaram sem lei [Torá, lei dos judeus, Moisés] também sem lei perecerão; e todos os que com lei pecaram mediante lei serão julgados. 13Porque os simples ouvidores da lei não são justos diante de Deus, mas os que praticam a lei hão de ser justificados. 14Quando, pois, os gentios [você e eu, não judeus], que não têm lei, procedem, por natureza, de conformidade com a lei, não tendo lei, servem eles de lei para si mesmos. 15Estes mostram a norma da lei gravada no seu coração, testemunhando-lhes também a consciência e os seus pensamentos, mutuamente acusando-se ou defendendo-se, 16no dia em que Deus, por meio de Cristo Jesus, julgar os segredos dos homens, de conformidade com o meu evangelho.”

Conclusão: Existe nos seres humanos uma noção natural do que é certo e o que é errado. Quando nos convertemos a Jesus, essa noção é iluminada e passa a ter vida dentro de nós!

Sidinei Bühler Kauer

www.sbkauer.com

Evangelizar ou morrer!

Sidinei Bühler Kauer


Para mim é mais fácil crer em predestinação, do que em livre-arbítrio, pois sei da minha incapacidade de receber Jesus. Mas a morte na cruz transformou a minha incapacidade em capacidade! Na morte na cruz Ele recebeu toda a humanidade para que alguns humanos o pudessem receber! Os braços de Jesus esticados e desconjuntados na cruz foram para abraçar todo o mundo (Jo 3.16). PARA ABRAÇAR VOCÊ!



Download: 4shared ou mediafire

Rm 10.9 diz: “Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo.”
Uma boca que confessa Jesus como Senhor não é uma boca que pronuncia “Jesus é o Senhor”! É muito mais que isso! TODO O SEU FALAR PRECISA SER UMA CONFISSÃO DE QUE JESUS É SEU SENHOR! Crer que Deus Pai o ressuscitou dos mortos não é apenas acreditar que Jesus ressuscitou, mas estar pronto para morrer pelo evangelho crendo que da mesma forma você será ressuscitado!
Você crê no evangelho? Ainda quer crer em Jesus?
Qual o sentido de viver se não for ganhar vidas? Para que me presta estar vivo e estar aqui nessa terra corrompida pelo pecado, cheia de doenças, de misérias, de crises, de morte, de pobreza, de lutas... Para que serve essa vida? Para que continuar nesse mundo se o céu é bem melhor e me aguarda? Fp 1.12 ´ Pois para mim viver é Cristo, e morrer é lucro.” Se na for para ganhar almas, então que eu morra hoje mesmo! Se eu não puder ganhar almas para Cristo então quero morrer agora mesmo a fim de que a minha própria vida não se perca nesse mundo de corrupção! Se não for para evangelizar, não temos sentido algum de existir! A partir do momento que você recebe Jesus de verdade, a partir do momento que você verdadeiramente se converte aos caminhos de Cristo, o único sentido de continuar nessa terra é evangelizar!
Dizemos “venha o teu Reino”, mas dizemos para quem? Porque o reino que pedimos e queremos implantar nessa terra é reino de qualquer um, menos o reino de Deus, porque se fosse reino de Deus seria do jeito d’Ele e não do nosso! Eu não quero esse reino! Eu quero o Reino d’Ele!
Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles 9e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. 10Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito:
Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto.” Mt 4.8-10
Cada vez que buscamos outro reino que não é o Reino de Deus, estamos cometendo o pecado de idolatria!
Eu não quero os reinos dessa terra! Se é para ter uma igreja grande só para aparecer na televisão e dizer que “minha igreja” tem gente rica, tem cultura, está em vários canais. Eu não quero esse reino!
Se é para dizermos que essa igreja tem “status”, tem nome e é respeitada, EU NÃO QUERO ESSE REINO!
Eu quero é o Reino de Deus! VENHA A NÓS O TEU REINO SENHOR! Quando o Reino de Deus vem as coisas mudam! Porque passamos a viver como loucos para essa sociedade! 1Co 1.18-25
O primeiro passa para um avivamento não é orar por ele! O primeiro passo para um avivamento é orar pela sua morte! Porque enquanto você achar que está tudo bem não existe necessidade de avivamento!

Sidinei Bühler Kauer

Debulhando milho

Sidinei Bühler Kauer

Há alguns dias o Senhor me trouxe a memória um fato que há muito eu tinha esquecido. Lembrou-me de uma máquina de cortar grama que tínhamos quando eu estava na terceira série e tinha por volta de 10 anos de idade. Eu tinha um colega chamado César Henrique, que dizia que aquilo não era uma máquina de cortar grama, mas sim um “aparelho”. Por que ele dizia isso? Simples, porque a máquina era manual! Não tinha motor. Funcionava com um sistema de lâminas que giravam verticalmente, em contraste com as atuais que giram horizontalmente. Assim, as lâminas eram ligadas por engrenagens às rodas e quando estas giravam, as lâminas giravam também. De modo que se empurrássemos a máquina com mais força, as lâminas aceleravam também. Pessoalmente, acho aquele sistema melhor que o atual (para pequenos pátios), pois não precisa puxar fio para tudo que é lado. A máquina funcionava muito bem e eu apenas não cortava a grama porque era ainda um pouco fraco para dar conta do serviço. Com o tempo, aquele estranho aparelho foi ficando velho e não recebeu manutenção, até que virou sucata.

Hoje, se víssemos alguém com uma máquina como aquela certamente iríamos rir, mas naqueles dias ela foi por demais útil! O fato é que ela cumpria o que prometia e deixava a grama bem aparada sem custo.

Também me lembro de quando bem pequeno, ver meu pai debulhando milho esfregando um sabugo na espiga. E bem pequeno, pegava um sabuguinho e tentava ajudar ele. Com o tempo, as coisas foram evoluindo e meu avô, moedeiro experiente, comprou uma máquina, que descascado o milho, colocava-se nela, então era só tocar uma manivela e ela debulhava a espiga. Trilhadeira era como nomeávamos a máquina. Passou mais um pouco de tempo e meu avô, conseguiu comprar uma máquina mais moderna. Essa por sua vez, já debulhava o milho sem que precisássemos tirar a palha. Assim, bastava colocar na máquina e depois “abanar” o milho para tirar as impurezas. Passou o tempo, e o seu Conrado sai com outra. Agora ele compra uma máquina que “abana” o milho automaticamente. Então depois de colhido, basta passá-lo por 3 máquinas e depois vender a farinha.

Mas eu te pergunto: Isso fez meu avô mais feliz? Não! Bom, mas pelo menos fez com que ele trabalhasse menos né? Não sei! Porque antes ele precisava trabalhar para ter dinheiro para comprar coisas básicas. Mas depois ele precisava trabalhar para pagar as máquinas e quando terminava de pagar uma comprava outra e quando terminou de comprar tudo já estava na hora de fazer manutenção! Então, o prazer e a vantagem que as máquinas trouxeram, em sua essência, foi o prazer da novidade. Mas o pseudo alívio trouxe consigo outras preocupações!

Os antigos tinham muitos filhos porque criam que os filhos seriam força para o trabalho. Só que a cada filho que aumentava também o consumo. E depois que o filho crescia e passava a produzir mais do que consumia, ele formava uma nova família e dividia ao invés de somar o patrimônio!

Compramos um monte de coisas com a desculpa de que essas coisas nos farão viver melhor, todavia são estas mesmas coisas que nos tornam escravos! Compramos carros, máquinas de lavar roupa, computadores, celulares micro-ondas e mais uma infinidade de coisas sob o pretexto de que nos farão economizar tempo e viver melhor, mas são essas coisas que nos obrigam a viver em uma sociedade cada dia mais agitada, cansada, estressada e sem tempo para curtir os objetos que comprou para seu prazer!

Muitas pessoas têm uma infinidade de artigos de lazer em suas casas e não tem tempo para utilizá-las. Para não perder o negócio, compramos qualquer coisa que estiver em promoção, mesmo que não venhamos nunca a utilizar! Que sociedade é essa que vivemos, porque complicamos tanto as coisas? Essa é a sociedade pós-moderna, a sociedade da imagem! O Dr. Augusto Cury diz: “Antes as pessoas buscavam ser. Depois, como não conseguiam mais ser, passaram a buscar parecer. Hoje, como não conseguem nem ser e nem ter, se contentam com parecer”!

O veneno da sociedade pós-moderna se espalhou rapidamente por todo o ocidente e hoje vemos a crise mundial e ficamos abismados, mas é a crise do parecer! Muitas empresas pareciam ser sólidas. Quem poderia dizer que a GM, a maior montadora do mundo estava corroída! Pv 16.18 diz: “A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda.” Grandes empresas que pareciam sólidas ruíram! Nunca existiu um povo tão preocupado com a imagem do que os ocidentais dos dias de hoje!

Não paramos mais para analisar se precisamos de algo, se necessitamos de mudança, se estamos bem por dentro. Apenas nos preocupamos em olhar para a mídia, olhar para os outros e depois olhar para nós mesmos e procurar o que está faltando para sermos como o estereótipo midiático! Não buscamos mais algo porque sentimos uma necessidade intrínseca, mas buscamos porque precisamos vender uma imagem que se pareça com a imagem que passa na televisão.

Mas sabe por que estou falando tudo isso meus amados. Porque esses princípios que estão infiltrados na sociedade, tem entrado dentro das igrejas também! Convivemos com todo tipo de pessoas em nosso quotidiano e sofremos influencia do meio em que vivemos e já que vivemos na “era da imagem”, temos vivido um “CRISTIANISMO MIDIÁTICO”! Em se está na moda falar mal de alguma igreja evangélica, então nos aliamos a mídia e “metemos o pau nela”. Foi o que aconteceu quando aquela igreja da renascer desabou! Até os crentes estavam maldizendo a Renascer e em sua grade maioria sem conhecimento de causa! Agora vamos tomar um caso inverso. Pessoas vêem na televisão um modelo de igreja e chegam na sua igreja e querem implantá-lo! Assistem na televisão um culto em formato comercial que não tem nem pregação e querem implantar isso na igreja que freqüentam! Ou então jovens vão a uma cidade grande, vêem cultos cheios de efeitos pirotécnicos e querem colocar em sua pequena igreja do interior! Hoje existem muitas pessoas que freqüentam as igrejas mas não são ovelhas dos pastores que ali pregam, pelo contrario, são pastoreadas “on-line” pela televisão e internet!

São casos diferentes, mas que apontam para o mesmo fato: TEMOS IMPORTADO O SISTEMA MIDIÁTICO PÓS-MODERNO PARA DENTRO DAS IGREJAS! E Jesus não é da moda meu irmão! O EVANGELHO CONTINUA FUNCIONANDO DA MESMA FORMA! Continua sendo necessário que você tire horas a cada dia para buscar a presença de Deus!

A Bíblia continua dizendo que A COISA MAIS IMPORTANTE QUE VOCÊ TEM A FAZER É BUSCAR A DEUS! Não importa se você tem dinheiro ou não, qual sua roupa de marca ou quanta coisa você tem para fazer no seu dia a dia, o evangelho continua sendo o mesmo que diz “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Mt 6.33!

Não importa quanta coisa você tenha pra fazer a Bíblia continua dizendo “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo; 20ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado.” Mt 28.19-20

A quantidade de coisas que você tem para fazer não lhe tira a responsabilidade de cumprir a Palavra de Deus! Então você precisa sim evangelizar, discipular, cuidar de vidas! Sua responsabilidade não termina quando você conduz a pessoa a receber Jesus e nem quando ela é batizada, você ainda precisa se dedicar em instruir a pessoa nos caminhos do Senhor! E daí terminou? Não, daí você precisa reiniciar o processo!

Já diziam os antigos que “quem não vive para servir não serve para viver”! O nosso Jesus é o mesmo Jesus dos apóstolos e se eles confiavam em Jesus e faziam a obra e eram felizes, porque temer?

PODEMOS ATÉ VIVER EM UMA SOCIEDADE QUE SE CONTENTA COM O “PARECER”, MAS PARA JESUS CONTINUA SENDO NECESSÁRIO “SER”!

Na igreja de Jesus não tem espaço para o pensamento pós-moderno do parecer! Não existe igreja da imagem! Igreja da Imagem não é igreja de Cristo! Ou você é cristão ou não é! Se você parece crente, mas ai dentro ainda não é, se arrependa de seus pecados e converta-se ao Senhor Jesus pois do contrário o fogo do inferno já te aguarda!

Passaram-se os tempos em que se acreditava em lobisomem, papai-noel e mula-sem-cabeça e por isso tem gente achando que não precisamos mais crer no sobrenatural de Deus.

Meu amado, o sobrenatural de Deus é bem diferente de folclore! Continua existindo uma batalha espiritual e como diz o Pr. Samuel Piangers: “Ou você luta a batalha espiritual ou você sofre a batalha espiritual”. Ou cremos que existe um mundo sobrenatural além desse mundo e sociedade de imagem em que vivemos ou mesmo sem acreditar sofreremos as conseqüências!

Ou você se fortalece em santidade, oração e jejum ou continuará apanhando! E há quem vai dizer que não tem lutado batalha nenhuma e está muito bem. Pois, tudo que tenho a lhe dizer, é que se você não está lutando e não está sentindo ataque algum, então você já foi derrotado! Porque só quem não sente dor quando está apanhando é quem já morreu! E pode ter certeza eu todo aquele que está em Jesus é atacado pelo inimigo!


Sidinei Bühler Kauer


Aconselhamento pessoal

Sidinei Bühler Kauer

O ditado popular diz que “se conselho fosse bom não se dava, se vendia”. Isso é uma grande mentira. Jesus veio a Terra e deu os melhores conselhos do universo e não cobrou nada por isso, muito pelo contrário, Ele pagou e pagou muito caro para nos dar conselhos. A realidade é justamente o inverso do dito. Sempre que damos um conselho, somos nós que temos que pagar o preço dele. Afinal, quando você aconselha alguém a andar em uma direção se torna co-participante da jornada que ela segue. Assim, quando você aconselha alguém nos caminhos do Senhor, será recompensado pelos frutos da pessoa. Mas quando orientamos as pessoas por veredas tortas e as influenciamos por esses maus caminhos, seremos cobrados por esses erros como co-participantes. A Bíblia diz: “7Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará. 8Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna.” Gl 6.7-8

Então, conselho é caro! Conselhos são sementes que lançamos sobre o solo do coração das pessoas e colheremos seus respectivos frutos. Se bons conselhos, bons frutos, e maus conselhos, obviamente maus frutos.

Como crentes, somos chamados a constantemente ajudar as pessoas que estão a nossa volta. No entanto, existem circunstâncias em que ficamos sem saber o que dizer. Seguem então algumas dicas:

  1. “Alegrai-vos com os que se alegram e chorai com os que choram.” Rm 12.15

Todo novo convertido (de verdade) é muito animado e cheio de vontade de fazer tudo! O novo convertido quer evangelizar, pregar, construir, e até capinar pra Deus! Embora saibamos que devemos viver todos os dias nesse primeiro amor, sabemos que não é bem assim que acontece. Que geralmente passamos por momentos de menos ânimo. Mas isso não é o problema maior. Grande problema é quando nós, sabendo disso, chegamos para o novo convertido que está cheio de gás e dizemos “não é bem assim, logo-logo você vai desanimar”! Amados, Deus nos chama a nos alegrar com os que se alegram! Quantas vezes as pessoas chegam animadas para nos contar que algum parente se converteu ou que ganhou alguém para Jesus e lançamos aquele balde de água fria em cima: “Mas as vezes a pessoa pode só estar fazendo de conta, daqui a pouco volta pro mundo, você verá”. Credo! Que horrível! Sem perceber muitas vezes jogamos baldes de água fria sobre as pessoas, quando na verdade deveríamos nos alegrar com os que se alegram.

Mas também acontece o inverso. Pessoas se chegam até nós sofrendo, com dores terríveis em seu coração e nós, sem um pingo de misericórdia, lhe “exortamos”: “Irmão, você precisa ter a alegria de Cristo na sua vida! É pecado ficar triste assim, você não sabe que não tem mais motivo para chorar?” Amados, quando Jesus viu Lázaro morto e os familiares enlutados, o que vez? “Jesus chorou” Jo 11.35. Jesus olhava para a pessoa e assimilava o sentimento! Ele sofria com os sofredores, e se alegrava nas festas. Quando uma pessoa vem feliz da vida nos contar algo, celebremos com ela! Quando vier aos prantos, sintamos a dor e choremos com a pessoa. Se você se dedicar, e amar a pessoa que vem se aconselhar, poderá inclusive sentir a dor ou a alegria do coração da pessoa (sobrenaturalmente).

Em alguns casos, o melhor conselho que você poderá dar serão suas lágrimas! Não tema chorar! Somente aquele que coloca suas lágrimas diante de Deus pode colocar seu sorriso diante dos homens! Sorriso diante dos homens sem lágrimas diante de Deus é hipocrisia!

  1. “...não vos preocupeis com o que haveis de dizer, mas o que vos for concedido naquela hora, isso falai; porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo.” Mc 13.11

É fundamental para que sejamos bons conselheiros que tenhamos uma dependência total ao Espírito Santo! Muitas vezes a pessoa começa a abrir seu coração e ficamos apavorados, pois pensamos não saber o que dizer. No entanto, se estivermos na dependência do Espírito Santo, poderemos ser surpreendidos quando começarmos a falar e uma sabedoria sobrenatural nos sobrevier. Por isso, quando estamos evangelizando, ou aconselhando, devemos estar em sintonia com o Espírito Santo e a todo momento lhe perguntar o que devemos falar e também lhe pedindo que toque no coração da pessoa. Não podemos ser inconseqüentes e falar qualquer coisa, por isso, antes de dizer algo, em espírito, pergunte ao Espírito de Deus o que deve falar.

Um conselho errado pode ajudar uma pessoa a cometer um suicídio e um conselho certo pode levá-la a receber Jesus como Salvador! Existe uma ilustração no meio evangélico que diz que somos como um saco. Tudo que aprendemos de Deus, como os versículos que lemos, por exemplo, fica dentro deste saco e na hora que vamos evangelizar o Espírito Santo coloca a mão dentro deste saco e escolhe as palavras certas. Isso em parte é verdade. Deus na grande maioria das vezes nos usa através do que somos e conhecemos. Entretanto, em algumas situações específicas Ele pode simplesmente colocar algo em nossos lábios que nunca ouvimos antes! Devemos nos preparar da melhor maneira que pudermos e também estarmos prontos para uma intervenção sobrenatural.

3. “...sede, portanto, prudentes como as serpentes e símplices como as pombas.” Mt 10.16

Deus não quer que os crentes sejam alienados ou burros! Ele nos convoca a sermos prudentes e simples, mas não idiotas. Quando vamos aconselhar alguém, devemos fazê-lo com muita atenção e cuidado. Cada segundo é muito precioso. Você não estará lidando com um animal qualquer ou consertando uma máquina, estará aconselhando um ser-humano imagem e semelhança de Deus!

Olhe nos olhos, mas não constranja a pessoa. Tente acompanha-lá quando estiver se abrindo. Quando estiver triste, não fique sorrindo, quando estiver sorrindo, não faça cara de bravo. Deixe a pessoa se identificar você. Lembre-se que se ela não confiar em você e não sentir que você está interessado não vai se abrir e muito menos confessar seus pecados, e se não confessar seus pecados não será curada (Tg 5.16).

Se a pessoa estiver tensa, comece a conversa falando de outra coisa, distraia ela um pouco antes de entrar em assuntos “pesados”. Você não estará a enganando fazendo isso, estará apenas ajudando-a a receber a cura. Geralmente na hora da anestesia, os profissionais da saúde distraem um pouco o paciente para que a agulha entre com a menor dor e depois de anestesiada a pessoa, fazem o trabalho. Procure levar a pessoa ao assunto sem ser brusco (Não: “Agora vamos falar do seu pecado horrível. Sua mãe morreu mesmo, mas agora reaja!”).

Observe as reações físicas da pessoa enquanto você fala. Por isso repito, seja prudente como a serpente, e simples com a pomba!

4. “O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento.” Os 4.6

Você jamais será um bom conselheiro se não tiver conhecimento da palavra de Deus. Nos tempos hodiernos existem muitas tecnologias e soluções para que tudo fique mais fácil, mas a Bíblia continua sendo a Bíblia e nada substitui sua leitura e meditação! Não importa se você a ler no PC ou no papel, contanto que a leia e nela medite!

É de suma importância que no primeiro ano de conversão você leia o Novo Testamento no mínimo uma vez! E continue lendo e lendo... E também meditando. Olhando para o texto, perguntando que ele significa, orando...

Podes preparar um miojo em 3 minutos ou um churrasco em até 4 horas! O que ficará mais gostoso? O que a maioria das pessoas preferirá comer? Só que para fazer o churrasco você vai gastar se sujar, suar... As pessoas não precisam de “conselhos miojo”! Não! Você deve se preparar, se dedicar e se não souber algo ou como ajudar alguém buscar ajuda, pesquisar se esmerar! Não existe nada mais importante do que o Evangelho! Dedique-se!

Aconselhar é uma arte preciosa para a expansão do Reino de Deus e quando mais você a praticar na unção do Espírito Santo, melhor ficará nela!



Sidinei Bühler Kauer

A Célula

A célula



I- Momentos da célula.

1- Quebra-gelo: O período de quebra-gelo deve ser logo no início da célula. Esse período geralmente se inicia com uma pergunta e ou atividade que vise trazer integração e “quebrar o gelo” que geralmente existe no inicio da reunião. Às vezes, as pessoas ficam um pouco tensas ou apreensivas a respeito do que há de acontecer, principalmente os convidados. Outras vezes, ocorre justamente o contrário, os membros da célula já estão tão bem integrados que se perdem em longas conversas e gargalhadas e esquecem que a célula precisa começar.

É no momento do quebra-gelo, que as tensões dos novatos devem ser quebradas e a atenção dos membros deve ser direcionada.

Sugerimos que a cada semana o líder escolha uma pessoa para dirigir o momento de quebra-gelo da próxima reunião, trazendo uma brincadeira, pergunta ou similar que traga uma atmosfera de liberdade, mas ao mesmo tempo de reverencia.



2- Louvor e adoração: Esse período inclui um momento onde são cantadas músicas mais festivas (louvor) que demonstram nossa alegria por tudo que o Senhor tem nos feito. Dançamos, pulamos, batemos palmas... O que não pode acontecer é que os membros da célula fiquem conversando ou distraído nesse momento, ou mesmo que não queiram participar. Tal atitude deve ser repreendida. Entretanto sabemos que nossos convidamos, ainda precisam se converter e por isso muitas vezes ficam fora do que está acontecendo. Por isso, em alguns casos, o líder proporcionará folhas com as letras das músicas a serem cantadas, para que os convidados não se sintam perdidos. É importante que exista uma lista pré-estabelecida dos hinos a serem cantados, que pode ser redigida pelo líder ou encarregado do louvor na célula. Não significa que só será cantado o que está na folha, mas que caso não haja sugestão, não surjam os períodos vagos e do famoso “escolha você”.

É aconselhável, que depois do período de louvor cantado, tenhamos um tempo para louvarmos a Deus com nossos testemunhos. Os testemunhos são um breve relato das maravilhas que Deus fez em nossas vidas durante a semana. Os membros devem ser estimulados a testemunhas, mas se fugirem do assunto, ou se alongarem muito, o líder deve gentilmente trazer a conversa de volta... Após terminar o testemunho, a pessoa ergue a mão sinalizando que terminou e todos gritam: ALELUIA! Aleluia é a base do louvor, pois significa Deus seja louvado.

Após esse período, a igreja (célula) é conduzida em adoração. Nesse momento, adoramos a Deus pelo que Ele é. Lembramos de que Ele é Deus e que nós não merecemos sua atenção, amor e salvação, mas que por Jesus temos acesso a tudo isso. É o momento de fecharmos os olhos, chorarmos, dançarmos no espírito, ajoelharmos... É possível sim, termos um período de adoração muito intenso na célula!

Não pense que convidados não gostam de adoração. É fato, que as vezes podem mesmo não gostar, todavia, as vezes é durante um período profundo de adoração que os convidados tem um encontro com Deus e recebem a revelação da nova vida com Cristo Jesus. Líder, a adoração começa em você. Se você não tiver coragem de fechar seus olhos e invocar a Deus verdadeiramente, os demais também não vão ter! Adore a Deus com todas as suas forças!



3- Ministração: Ministrar a Palavra de Deus sobre os corações das pessoas é uma tarefa de extrema nobreza. Não devemos e não podemos deixar para nos prepararmos no dia da célula. Devemos já antes, estudar cuidadosamente o roteiro, orar muito sobre o assunto e sobre as pessoas que estarão na célula. Às vezes nem percebemos, mas existe uma luta no mundo espiritual para tentar nos atrapalhar de pregar. Por isso, devemos nos preparar da melhor forma possível para tal tarefa.

Pregue tentando trazer o assunto sempre para o diálogo. Coloque as pessoas na conversa, mas não as constranja. Lembre-se, você é o moderador da conversa, se alguém falar bobagem, concerte educadamente e prossiga. A mensagem na célula deve ser dialógica, ou seja, não é apenas o pregador que fica falando e os outros aprendendo. Deve surgir uma atmosfera onde possamos aprender uns com os outros. Perguntas geralmente funcionam bem, mas não devem constranger os convidados.

Após pregar, ministre a palavra na vida das pessoas. Faça isso através de uma oração. Pode pedir que fechem os olhos, e revisar os pontos da mensagem, lembrá-los de algumas coisas...

Em seguida, pergunte se alguém deseja receber oração por si própria. Caso alguém deseje, ore por essa pessoa com imposição de mãos, entretanto, se for do sexo oposto, talvez seja melhor pedir para uma pessoa do mesmo gênero que a pessoa que ore.

Em seguida, quando ninguém mais quiser oração por si mesmo, dirija as orações gerais. Estes pedidos, podem ser por pessoas enfermas, propósitos, escola... Estimule para que as orações sejam compartilhadas e cada membro possa orar por um motivo.



II- Funções na célula



1- Líder: O Líder da Célula é o responsável direto pela célula e também quem toma as iniciativas e decisões. É quem organiza os discipulados dentro da célula, pastoreia os membros, ora por eles e os visita. Deve estar em constante transparência com o supervisor de setor e seguir suas instruções. Deve dar o exemplo!

2- Co-líder: Sempre que possível, o co-líder (auxiliar principal) deve ser discípulo do líder da célula. Ele é um líder em aprendiz, que aos poucos recebe funções delegadas pelo líder, como discipular, dirigir a reunião, pregar... O co-líder é quem assume a célula quando o líder não pode ir e também quando o líder pede que isso seja feito. Quando a célula se multiplicar, será o co-líder que se tornará o novo líder.

3- Anfitrião: O anfitrião é o dono da casa onde a célula se reúne. Ele é o responsável por organizar o lanche, as cadeiras, e tudo mais que envolva a estrutura física onde a célula se reúne. Deve SEMPRE colocar as cadeiras em círculo e estar com tudo pronto antes dos membros chegarem. Um bom anfitrião deve ser simpático e convidar muitas pessoas, afinal a casa é sua e ninguém melhor que ele mesmo para convidar!



III- Registro



Temos um sistema organizado de registro de nossas células. Relatórios são fornecidos e devem ser preenchidos pois são de suma importância par ao andamento da célula. Além disso, semanalmente são entregues Roteiros para líderes e co-líderes contendo as informações sobre a célula, avisos e palavra. Tais roteiros devem ser guardados pelos líderes pois terão utilidade futura. O Material para a célula (pregações sobre o M.D.A., roteiros, apostilas, relatórios e etc.) é também disponibilizado no site www.sbkauer.com na seção downloads.





IV- Escolhas

1- Natanaéis: Os natanaéis são as pessoas que temos o alvo de ganhar para Jesus. Oramos e buscamos essas pessoas para as células. Cada pessoa deve ter 3 Natanaéis.

2- Amado da Semana: O líder da célula, durante a semana deve discernir em Deus, uma pessoa que será o “amado da semana”. A intenção é que possamos demonstrar nosso amor a essa pessoa, o quanto ela é importante para Deus e para nós também. Os demais membros devem durante a semana posterior a célula arranjar um jeito de manifestar seu amor ao amado da semana. Podem fazer isso com visitas, presentes, depoimentos, mensagens, serenatas, passeios...

3- Data da Multiplicação: A data da multiplicação é o dia profético que colocamos em um cartaz na sala de reunião da célula. Oramos e agimos para que nesse dia, a célula se multiplique. Essa estratégia é importantíssima e deve ser levada a sério. Precisamos ter alvos, metas objetivos! Discirna em Deus a data da multiplicação.

4- Nome da Célula: Cada célula deve possuir um nome próprio. Esse nome não serve apenas para que identifiquemos a célula, mas para que exista uma tarja profética sobre a célula! Devemos crer no sobrenatural de Deus e profetizar sobre nossas células! Nomes como “Salva Vidas”, “Tropa de Elite”, “Exército de Cristo” são alguns exemplos.


Sidinei Bühler Kauer

Teoria sobre a Verdade

Sidinei Bühler Kauer
Certo dia, um amigo meu do seminário me contou algumas coisas a respeito de uma aula que tiveram.
“Sidinei, o professor nos contou a seguinte história: Um homem espancou um menino e deixou ele em casa e saiu. Nesse ínterim, o menino fugiu e chegou até a casa de um jovem. O menino contou todo o sucedido ao jovem e pediu que os escondesse em sua casa. O Jovem assim fez. Dez minutos depois, um homem enorme chega na casa dele perguntando pelo menino e diz que quer pegar ele e dar uma surra. O que você faria? Daria o menino para que o homem o espancasse? Diria que não viu o menino ou lutaria contra o homem forte?” e contou ainda outra história. “Dois homens faziam alpinismo. A corda de cada um só poderia suportar o peso de um homem. Então, inesperadamente a corda de um deles arrebenta e ele gruda no pé do outro para não cair. Se você fosse o amigo que a corda não arrebentou o que faria? Derrubaria seu amigo para a morte? Ficariam os dois na corda e morreriam juntos? Você se mataria saltando para salvar seu amigo?”
Esses dias acompanhamos o caso de um seqüestro em Santo André-SP. Ora, acaso seria pecado um atirador de elite ter matado o jovem que ameaçava as moças no prédio? Matando uma vida duas seriam tiradas de risco. Se a verdade é algo estático, então seria pecado matar o seqüestrador. Se a verdade é relativa, ele deveria ser morto para preservar as outras vidas.
Partindo-se do pressuposto que a verdade é relativa e que se é relativa logo não existe verdade, chegamos a uma crise. Afinal Jesus disse que é a Verdade e que é a Palavra. Logo, a Bíblia é a essência da verdade que culmina na pessoa de Cristo. Mas se a verdade não existe, Cristo não existe, ou pelo menos tem conhecimento equivocado de si mesmo e se assim for não é Deus, afinal, presume-se que Deus é perfeito. Sendo assim, se Cristo afirmou ser a verdade, mas se a verdade não existe cai por terra o cristianismo como um todo.
Todavia quem disse que a verdade é um conceito? O que de fato encerra a palavra verdade? Acaso não poderia ser a verdade muito mais que um mero conceito estático? O que é Jesus? Ora, não é uma coisa, logo a pergunta certa é: Quem é Jesus?
Chegamos então a um ponto interessante. A verdade é Jesus e Jesus é um ser e não uma coisa ou conceito. Sintetizando temos o seguinte: A verdade não é o fim, mas o meio. A verdade não é um produto pronto e sim a fórmula. A verdade não é a lei, mas sim o raciocínio segundo a mente de Cristo.
Portanto, a verdade pode ser diferente dependendo da ocasião, logo é relativa, visto ser resultado de um processo analítico de fatores externos e valores intrínsecos da pessoa de Jesus. Quando Jesus afirmou ser a Verdade e a Palavra (Bíblia) como verdade, não engessava a verdade, senão, estaríamos no tempo da lei, mas mostrava que os princípios contidos na Bíblia são reflexos de sua própria Pessoa e valores heurísticos de produção de decisões. A verdade deixa então de ser um axioma em si mesma e passa a ser um método. O resultado da aplicação do método torna-se a verdade contextual que é a verdade tradicional como a conhecemos hoje.
Finalizando, afirmo ser a Verdade Absoluta um método de produção baseado na mente de Cristo e a Verdade Usual o resultado desse método. Como os cristãos não são os únicos detentores das verdades divinas, afinal todos preservam vestígios da imagem de Deus, é possível também ao não cristão produzir verdade usual, todavia não com a mesma freqüência que os cristãos. A única maneira de vivermos na verdade, é tendo a mente de Cristo, a verdade absoluta em nossas mentes. E isso, só se dá pelo novo nascimento, quando nos convertemos ao Senhorio de Cristo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...